Quinta-feira, 15 de Junho de 2023

Carta enviada aos professores do meu desventurado País, cheio de gente que não sabe a quantas anda no que ao AO90 diz respeito

 

Aguardo uma resposta.

Sei que ela jamais virá, porque também sei que só responde quem tem algo para dizer.

Sei, igualmente, que nem todos os professores aceitaram subjugar-se a uma ordem ilegal.
Esses estão fora do campo de acção desta carta.

 

Por que a escrevi?

Porque talvez esses professores não saibam o que muitos outros sabem, por isso, não se vergaram: sabendo-se como se sabe que a aplicação do AO90 é comprovadamente ilegal e inconstitucional, ninguém em Portugal tem a obrigação de obedecer a uma ordem para o aplicar, ainda mais não existindo LEI alguma que a tal obrigue.

 

Einstein.PNG

 

Caros Professores

[não é preciso dizer caros e caras, professores e professoras, porque professores – plural colectivo –  significa um grupo de docentes, onde estão incluídos eles e elas].

 

Realmente gostaria de ter uma resposta objectiva da vossa parte.


Esta matéria é demasiado séria e nociva ao ENSINO, em Portugal, para que possa ser silenciada, do modo como está a ser, por parte de quem deve defender um ENSINO DE QUALIDADE, que passa, todo ele, pela Língua Materna dos alunos. A Língua Materna, NÃO a Língua MADRASTA que lhes estão a impor.



Os professores são um dos grandes culpados do CAOS no Ensino [a juntar ao presidente da República, ao primeiro-ministro, ao presidente da Assembleia da República – a este principalmente – aos deputados da Nação, aos partido políticos, com excepção do PCP, aos editores acordistas, aos órgãos de comunicação social acordistas, aos escritores acordistas, e aos outros, aos marias-vão-com-as-outras].

É com este estigma que a vossa geração de docentes quer ficar para a História?


Por favor, pensem ELEVADO, e tomem uma posição. Não serão penalizados, porque mais penalizados do que já estão a ser não é possível, até porque, juridicamente, não são obrigados a aplicar uma coisa que não está em vigor e é ilegal, porque NÃO há lei alguma que obrigue os professores a desensinarem os alunos, no que respeita à Língua Materna deles. Além disso, teriam o apoio massivo de milhares de portugueses. Podem crer.



Pensem nisto! E cresçam na consideração dos Portugueses Pensantes, que, neste momento, não vos apoiam, porque só pensam nos vossos direitos. E onde ficam os direitos dos alunos? Os direitos de uns acabam quando os direitos dos outros começam, e os professores só teriam a lucrar se pugnassem também pelo RESPEITO que os vossos alunos merecem, e que não está a ser levado em conta, por vós, que estais a formar uma geração de analfabetos funcionais. E essa NÃO é a vossa missão. E também lucrariam se pugnassem pelos DIREITOS dos alunos ao ensino da Língua Materna, aquela que nos deixou Dom Diniz, e que nenhuma raiz tem na América do Sul.

 

Uma luta só se ganha quando se tem razão. E a vós falta uma fatia importante dessa razão. Estamos convosco no que diz respeito aos 6-6-23. Mas é só.



Procurem a LEI (não resoluções de conselho de ministros, ou circulares, ou coisas similares). Procurem a LEI que vos obriga a aplicar uma grafia que NÃO pertence a Portugal, nem faz parte da Língua Materna dos alunos portugueses.



E se ma apresentarem, garanto-vos que venho a público admitir a minha grande ignorância. É que só uma LEI obriga a fazermos aquilo que NÃO queremos fazer.

Com as minhas saudações desacordistas,

Isabel A. Ferreira

Para:
anproport@gmail.com,aprofport@app.pt,geral@anvpc.org,geral@anprofessores.pt,
cf.jsalvadosampaio@fenprof.pt, fenprof@fenprof.pt

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:23

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 11 de Maio de 2023

Um texto do Professor António Mota, para reflectirmos o grave ERRO que foi o de uns poucos políticos portugueses aceitarem ser uns insignificantes SERVOS do AO90, quando outros foram veneráveis Senhores da Língua Portuguesa

 

«A política do facto consumado é um insulto à inteligência» (A. M.)

 

Untitled.png

 

Por António Mota

1.

Somos, de facto, governados indigentes autocratas e acéfalos, e o exemplo disso, entre milhentos outros, é a imposta vigência do Acordo Ortográfico mentecapto, o qual foi efectivamente elaborado por colaboradores interessados e comprometidos, por gente inconsciente, maníaca, irresponsável, e para gente muito de pensamento apoucado, e sem entendimento, movido por uma lógica de fumo insustentável e leve como palha. Os professores, sem que isso desculpe ninguém da responsabilidade que tem como cidadão e português, deveriam ter tido, e têm algo importante sobre isto a dizer.

 

2.

Diga-se, porém, que é difícil, muito, hoje, ser-se professor. Como sempre foi. Mas hoje é mais. Muito mais. Na minha opinião, os professores têm sempre muito que dizer, sobre muita coisa, e também sobre esta miséria que é o AO da nossa falência, consentida e "apoiada". E, muitos, têm-no feito claramente, apesar das condições insustentáveis em que se encontram. Ninguém, daqueles que optaram pela surdez inconsciente e preguiçosa, os ouvirá. Mas oiço eu. E muita gente como eu. Somos poucos? Não é a quantidade que determina a razão e a qualidade.

 

3.

Eu gostava de ouvir mais e mais forte os professores. Porque nesta matéria, quer queiram, quer não, são faróis. E os faróis não servem para servir a escuridão. Mas, atenção, não se pode pedir a ninguém para ser herói. Ou mártir. Eu acho que nunca ninguém tem que ir contra a sua consciência. Vi muitos heróis anónimos a dizerem não. Pagaram por isso? Pagaram. Mas, é como lhe digo: cada um pode fazer o que quiser; mas ninguém tem o direito de exigir, seja a quem for que seja herói e mártir.

 

4.

Ora, agora, há uma coisa. Eu não posso admitir nunca o argumento baixo de não se poder voltar atrás. E era aqui que eu queria chegar, para pedir. Para pedir, o quê? E a quem? A toda a gente e, particularmente aos professores, porque têm formação, e são agentes do pensamento, que não aceitem esse argumento da irreversibilidade. Porquê? Porque nada é irreversível, principalmente se for contrário a toda a lógica, à história, à democracia, e ao pensamento.

 

5.

Gostaria que não aceitassem vencidos o pobre e falso argumento do facto consumado. Isso é o que os agentes do pensamento único e fraquinho querem, e divulgam, principalmente entre mentes indigentes e preguiçosas. A política do facto consumado é um insulto à inteligência. Concretamente. Pequemos em dois argumentos apenas, desses emitidos a toda a pressa pelos serviçais meios de comunicação social.

 

6.

Um desses argumentos, que qualquer meliante usa, sem saber argumentar, é o facto de já muitas crianças terem aprendido aprisionados a este cabresto sufocante do dito AO, que só o governo Português defende, e só por isso. Mas aprenderam forçadas e enganadas. E eu lhes digo que AO dito, de aberrante tão, facilmente será ultrapassado por quem nele andou aos tropeções, se se quiser. E, se isso fosse argumento, lhes diria que foram muitíssimas mais as pessoas que mamaram do pensamento e do sentimento na nossa sempre respeitável muito Língua mãe, mais séria, mais lógico, mais consonante com a história e a lógica, e, mais que tudo, porque faz parte da nossa identidade.

 

7.

Em segundo lugar, dizem - argumento supremo do deslizamento para o imbecil - que só não muda quem é burro. Já o dizia o Mário Soares, a propósito do "socialismo na gaveta", das políticas que adoptou, até cairmos nas garras do FMI, a propósito da famosa "descolonização". Isto é: há quem fale em mudanças apenas para cobrir a sua responsabilidade, inconsciência, incompetência, e outras "virtudes" mais. É verdade que a língua é um organismo vivo, e muda. Pois muda. Mas muda com o tempo e com a história, a cultura e a necessidade, sempre com lógica, com ciência, e não com os alarves que, não sabendo fazer mais nada, mudam à toa, fugindo de argumentos que não têm, nem nunca tiveram.

 

8.

A este propósito, por que é que os partidos não falam neste assunto? Que raio de pacto é que têm, que interesses, que falta de conhecimento? Como é que se atreve esta nossa classezinha de baronetes de sangue verde a brincar com uma língua de civilização? Exactamente talvez porque não sabem o que é ser civilizado. Como se atrevem a impor, ilegalmente, em tudo quanto podem o famigerado acordo, que transforma uma língua preciosa num objecto filho da mais idiota bastardia?

 

9.

Em síntese, e porque isto vai longo: lá porque se cometeu um erro crasso e irresponsável, mantê-lo, e não corrigi-lo, é errar duplamente; lá porque a Língua é um organismo vivo, não significa que qualquer parvalhão se divirta com o cinismo da sua amputação, sem razão e argumento. Ora é isto o que os nossos políticos fazem, tanto se baixando, que se lhes vê o, e não é nada atraente ou bonito. Já não temos dicionários, nem gramáticas. Temos que suportar o novo-riquismo da estupidez ortográfica, fónica, semântica e sintáctica imposta pelo corrector do computador, pelas televisões, pelos políticos mesclados. Mas até quando?

 

10.

À Isabel A. Ferreira, à Soledade Martinho Costa, incansáveis na sua denúncia, e aos meus caros todos amigos que se irritam solenes, e não brincam às críticas, nem jogam ao faz de conta, em se tratando de coisas realmente sérias, como seja a bastardia do Acordo Ortográfico, o malfadado.

 

Não. Nesta questão específica temos sempre de combater a apatia mórbida daqueles que comem com os que estão, com os que ficam, e com os que vão. E lá estou eu a dar pretextos a essa gente, que fica e que vai com todos, medindo sempre o que mais convém a suas excelentíssimas qualidades, inquestionáveis, certamente.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/mentions/1683297238495960/?notif_id=1683297238495960&notif_t=mention&ref=notif

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:17

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Domingo, 5 de Março de 2023

Será que em Portugal o «professor é o indivíduo vocacionado para tirar outro indivíduo das trevas da ignorância, da escuridão, para as luzes do conhecimento, dignificando-o como pessoa que pensa e existe»? Vamos conferir.

 

Este texto não tem a ver directamente com o AO90 ou com a Língua Portuguesa, mas como tem a ver com a “missão” do professor, a ligação é inevitável.

 

Uma vez que os professores portugueses “andam na berra” (*) convido os meus leitores a dar atenção à definição de professor, que o Juiz brasileiro Eliezer Siqueira de Souza Júnior apresentou na sentença dada num processo judicial, movido por um aluno ao professor que lhe confiscou o telemóvel, por estar a ouvir música, com auscultadores, dentro da sala de aula.

 

Trata-se de um acontecimento bastante difundido na altura, e que pode ser consultado neste link:

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/aluno-brasileiro-que-processou-630893

 

O aluno brasileiro, que processou o professor por lhe ter apreendido o telemóvel, na sala de aula, perdeu a causa na justiça, e o Juiz Eliezer deixou-nos uma lição do que deve ser observada por todos os professores, pais e governantes deste nosso País, que fazem do ENSINO uma desaprendizagem.

 

«O professor é o indivíduo vocacionado para tirar outro indivíduo das trevas da ignorância, da escuridão, para as luzes do conhecimento, dignificando-o como pessoa que pensa e existe

 

Diz o Juiz que o autor é estudante. O demandado, professor. Neste contexto, já se deveria asseverar que o docente, jamais, traria algum abalo moral àquele ser que lhe foi confiado a aprender. Pelo contrário! O professor é o indivíduo vocacionado a tirar outro indivíduo das trevas da ignorância, da escuridão (alumno: sem luz), para as luzes do conhecimento, dignificando-o como pessoa que pensa e existe”.

 

E o magistrado prosseguiu tecendo considerações sobre o ENSINO no Brasil: “O que temos no Brasil? Uma completa inversão deste valor, explicável se levarmos em conta que, no século passado, ficamos aproximadamente 40 anos em duas ditaduras que entenderam o valor da Educação como ferramenta de tirania e alienação, transformando professores em soldados de ideologias totalitaristas, perfilados em salas de aula em que sua disposição espacial dá toda esta directriz: o professor em pé, discursando; os alunos sentados, indefesos, recebendo toda carga do ‘regime’”.

 

O que proponho é reescrever este excerto da sentença do magistrado brasileiro, e transpô-la para a actualidade portuguesa:



E o que temos em Portugal? Temos uma completa inversão deste valor, explicável se levarmos em conta que, desde o 25 de Abril, os sucessivos governos ditos democráticos entenderam o valor da Educação como ferramenta de tirania e alienação, transformando professores em soldados de ideologias totalitaristas, perfilados em salas de aula em que a sua disposição espacial dá toda esta directriz: o professor em pé, despejando matéria, e utilizando uma linguagem truncada, abrasileirada, amixordizada, enfim, um TUGUÊS (**) imposto ditatorialmente por governantes ignorantes e servilistas, e os alumnos, coitados, sentados, indefesos, recebendo toda esta carga de um ‘regime’ que rasteja aos pés de uma ex-colónia, que usurpou a Língua Portuguesa, e a fez introduzir em Portugal através de trafulhices entre políticos brasileiros  e políticos portugueses, desvirtuando-se, deste modo, a MISSÃO de tirar os alumnos (os sem luz) das trevas da ignorância, da escuridão, para as luzes do conhecimento, dignificando-o como pessoa que pensa e existe. O que temos é as trevas da ignorância a reinar nas escolas, porque é IMPOSSÍVEL ter um ensino de qualidade, assente numa linguagem TÃO desqualificada.



Os alumnos portugueses, que tiveram a desdita de apanhar o combóio do TUGUÊS  em andamento a partir de Janeiro de 2012 [algo que aos acordistas não interessa dissecar] porque as crianças do ensino básico do ano lectivo 2010/2011 que aprenderam a escrever direCtor com CÊ,  e a partir de Janeiro de 2012, tiveram de desaprender a escrever a LÍNGUA MATERNA delas, e,  sem saberem porquê, começaram a escrever “diretor” [dir’tôr”] sem Cê, começaram a escrevinhar uma inconcebível mixórdia ortográfica, imposta por ignorantes, com a  CUMPLICIDADE de quem? Isso mesmo: dos PROFESSORES, que tinham a MISSÃO de os tirar das trevas e da ignorância, e atiraram-nos para uma escuridão ainda maior. [Salvaguardo aqui os professores que se recusaram a ser servilistas].

 

E quem diz os alunos do ano lectivo de 2010/2011, diz de todos os alunos dos anos lectivos anteriores. E se esses alumnos foram obrigados a desaprender 0 que aprenderam numa LINGUAGEM CORRECTA, mais facilmente podem desaprender o que aprenderam na LINGUAGEM “INCORRETA” (“INCURRÊT”) que estão a impingir-lhes.



E o magistrado Eliezer disse mais, na sua sentença:

«Julgar procedente esta demanda, é desferir uma bofetada na reserva moral e educacional deste país, privilegiando a alienação e a contra-educação, as novelas, os reality shows, a ostentação, o ‘bullying intelectual', o ócio improdutivo, enfim, toda a massa intelectualmente improdutiva que vem assolando os lares do país, fazendo às vezes de educadores, ensinando falsos valores e implodindo a educação brasileira»

Transponhamos este parágrafo para Portugal e temos o seguinte:

Continuar a enganar os alumnos [os sem luz] portugueses, impingindo-lhes uma ortografia que NÃO pertence  à  Cultura Linguística Portuguesa, é desferir uma bofetada na reserva moral e educacional de Portugal, privilegiando a alienação e a contra-educação, as telenovelas brasileiras e luso-brasileiras, os reality shows, o futebol [ainda hoje ouvi na televisão um homem dizer que o futebol era a coisa mais importante na sua vida] a ostentação, o ‘bullying intelectual', o ócio improdutivo, enfim, toda a massa intelectualmente improdutiva que vem assolando os lares portugueses,  fazendo às vezes de educadores, ensinando falsos valores e implodindo a educação portuguesa.

 

Está na hora de dizer BASTA!  a este INSULTO.

 

 (*) Gosto de usar as expressões portuguesas que o nosso Orlando Neves compilou num Dicionário de Frases Feitas, e “andar na berra” é uma delas, e para quem não sabe, significa “estar na moda; ser falado”.

 

(**)TUGUÊS” é a novilíngua grafada em Portugal, e consiste numa mistura da Língua Portuguesa, do Acordês e da Língua Brasileira, algo que está a ser impingido pelo actual sistema de ensino, com a cumplicidade da classe docente [salvaguardo aqui os Professores que NÃO aceitaram ser servilistas] que anda por aí a proclamar que quer uma “escola com qualidade”, mas impingem o “TUGUÊS” e o “TUGUÊSnão rima com qualidade, rima com ESTUPIDEZ.

 

Isabel A. Ferreira

 

Eliezer.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:44

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2023

Os governantes NÃO estão interessados num Povo instruído, esclarecido, bem formado. Porquê? Para melhor poder manobrá-lo, à mercê do seu “Quero, Posso e Mando”

 

Os governantes NÃO investem na Cultura, no Ensino, na Educação Escolar, porque lhes dá jeito manter o Povo açaimado através da ignorância, da iliteracia, da falta de espírito crítico, do servilismo, da subserviência, e poderem exercer o PODER como bem entendem.

 

Agora andam com medo das redes sociais, onde, por enquanto, se pratica uma liberdade de expressão, que, no entanto, está altamente ameaçada pelos novos nazis que, dissimuladamente, têm uma nova Pide em alerta máximo, por aí, a tentar calar os que mais se afoitam, a lutar contra a nova ditadura e a política do Quero, Posso e Mando.  

 

E no meio disto tudo, há coisas imperdoáveis, como o que se passa no seio dos professores, que não sendo deuses, não podem querer passar incólumes quando cometem erros de tamanha gravidade, como o de aceitar acriticamente o AO90, sendo cúmplices do maior complot (o galicismo é mais elegante do que o aportuguesamento da palavra) para destruir a Língua Portuguesa.

 

A intenção não é amesquinhar quem erra. A intenção é evidenciar a falta de BRIO profissional, que anda disseminado por aí, até entre a grande maioria dos professores,  que DESPREZAM a Língua Portuguesa, quando deviam ser os primeiros a DEFENDÊ-LA, rejeitando liminarmente o AO90.

 

Recolhi algumas considerações do descontentamento que por aí vai a este respeito, sendo a FALTA de RESPEITO pela NOSSA Cultura,  a nota dominante.

Isabel A. Ferreira

 

Capture.PNG

Comentário de Alexandre Carvalho.PNG

ALFARO Comentário.PNG

Comentário de José Macedo.PNG

Capture.PNG

Comentário 2.PNG

Capture.PNG

Comentário Isabel.PNG

PROFESSORES 1.PNG

Professores..PNG

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:43

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2023

Facto: o AO90 foi criado politicamente com o objectivo de DESTRUIR a Língua Portuguesa, para a substituírem pela Língua Brasileira (ainda a ser oficialmente) ...

 

… e para este jogo SUJO estão a contribuir os governantes portugueses, presidente da República e deputados da Nação incluídos, e também os professores com excesso de zelo burrocrático e a comunicação social seguidista e servilista.

 

Criei este Blogue para DEFENDER a Língua Portuguesa. Mas não me limito a defendê-la, neste espaço, que partilho com tantos outros defensores, que dizem de sua justiça, nos artigos que escrevem e que aqui publico.

 

Costumo andarilhar pela Internet, para medir o pulso ao que se passa neste nosso mundo desvairado, e, quando encontro algo que diga respeito ao AO90 ou à Língua Portuguesa, que me faz subir pelas paredes, intervenho.

 

Por vezes, recebo e-mails como este:

Que espécie de linguagem é esta.PNG

 

Que tipo de linguagem será esta? Como me mexeu com as entranhas, nem sequer mereceu resposta.

 

Contudo, é um pouco dessa minha intervenção, na Internet, que me propus a trazer, hoje.

 

Desta vez foi uma mensagem da Joana Coelho que me alertou para um artigo publicado no Quora, sob o título: «Existe a língua portuguesa do Brasil e a língua portuguesa de Portugal? Se sim, quais as diferenças?»

neste link

https://pt.quora.com/Existe-a-l%C3%ADngua-portuguesa-do-Brasil-e-a-l%C3%ADngua-portuguesa-de-Portugal-Se-sim-quais-as-diferen%C3%A7as/answer/Alexey-Gukov-1?__nsrc__=4&__snid3__=47848523979&comment_id=312980052&comment_type=2

a dizer o seguinte:

«Boa Tarde Dona Isabel! Espero que se encontre bem.

Recebi esta resposta ao meu comentário da mesma pessoa que respondeu à pergunta inicial, mas não tenho jeito para escrever não respondi. É difícil não sentir que a língua portuguesa está a ser engolida pelo dialecto brasileiro, por variadas maneiras: acordo ortográfico, nas sinopses da Netflix e TV por cabo, jornalistas brasileiros a darem notícias de Portugal em canais de TV portugueses (não é frequente mas já aconteceu), o site de línguas Babbel que é financiado pela união europeia ensina o dialecto brasileiro, já vi na tradução portuguesa de um volume de um Manga (BD japonesa) escrito zumbis e exterior em vez de zombie e estrangeiro,  e agora até foi criado um grupo para discutir a aceitação do dialecto brasileiro no exames e ensino em Portugal (se os alunos brasileiros estão em Portugal porque raio é que deveriam ser avaliados no dialecto brasileiro? os professores podem aceitar o vocabulário, mas a gramática tem de ser a nossa), até já vi pessoas que sem repararem utilizam expressões e vocabulário brasileiro, como uma colega minha que dizia jogar no lixo e quando lhe perguntei, ela respondeu que foi devido à influência de crianças suas familiares que vêem youtubers e programas brasileiros para crianças e que ela às vezes os corrige mas que é uma pessoa que facilmente "apanha" o modo de falar das outras pessoas.

 

Mesmo que Portugal inteiro criasse conteúdo no nosso português, na Internet e em livros escolares para os PALOPs, o dialecto brasileiro é utilizado, fora de Portugal, como se fosse o português padrão, infelizmente. Quando estive de férias em Amesterdão, uma estrangeira ouviu-me a falar com o meu pai e perguntou-me qual a minha língua materna, tendo ficado chocada quando lhe respondi que era portuguesa e falava português. Disse que o português que conhecia era o que se fala no Brasil e que era tão diferente.

 

***

(Respondi à Joana, num comentário, no artigo acima referido):

 

Joana, nós, que lutamos pela preservação da Língua Portuguesa, jamais permitiremos que a Variante Brasileira do Português se sobreponha ao Português, ainda que seja verdade tudo o que mencionou, quanto a essa infiltração abusiva da Variante Brasileira do Português. Mas a linguagem é tão má, tão má, e as traduções são tão más, tão más, que não se aguentarão por muito mais tempo.

 

Jamais a IGNORÂNCIA, a ESTUPIDEZ, a MEDIOCRIDADE levaram a palma.

 

As diferenças são muitas. E os povos europeus, muito mais facilmente aprendem a Língua Portuguesa do que a Língua Brasileira (ainda a ser), porque têm a mesma RAIZ indo-europeia.

 

O acordo ortográfico de 1990 é simplesmente um PEDREGULHO no caminho da evolução da nossa Língua, mas nós somos seguidores da Filosofia da Água, e avançamos, contornando os obstáculos, que nos querem impor.

 

O acordo ortográfico de 1990 foi criado politicamente com a única intenção de DESTRUIR a Língua Portuguesa e substituí-la pela Língua Brasileira (ainda a ser). Mas vamos contornar o pedregulho, deixando-o para trás, e manteremos a Língua Portuguesa no seu original, como é da NOSSA Cultura.

 

***

E foi então que apareceu Alexey Gukov

autor do artigo acima referido, o qual estudou Filologia Românica (é importante sublinhar este pormenor) e com o qual troquei as seguintes palavras:

 

Comentário Isabel.PNG

Comentário 2.PNG

 

E Alexey Gukov respondeu-me:

 

Alexey Gukov

Estudou Filologia românica

 

(Transcrição do comentário de Alexey)

 

Alexey:

Uma coisa da qual não gosto é a agressividade com a qual algumas pessoa creem dever proteger a sua língua duma suposta desvirtuação que se daria por influências de línguas estrangeiras: muita emoção e muito pouco conhecimento.

 

Isabel:

NÃO EXISTE língua portuguesa do Brasil. O que existe é uma Variante Brasileira da Língua Portuguesa, que é ÚNICA. É a de Portugal. Todas as outras são VARIANTES do Português.
A Língua Portuguesa é A Língua. Não se queira pôr ao mesmo nível um IDIOMA e uma Variante.

 

Alexey:

O que a Senhora não sabe, não entende ou não quer entender é que, por muito que o português europeu (que tem as sua variantes regionais, como as tem o português do Brasil) seja a variedade primigénia da língua portuguesa, da qual nasceram todas as variedades do português que se falam nas ex-colónias, o português é hoje uma língua pluricéntrica, na qual o padrão europeu vale tanto quanto o padrão brasileiro: nem mais, nem menos.


Observe que a Asociação das Academias da língua espanhola (23 em tudo) o que faz é coordinar a unidade ortográfica dos vários países de língua espanhola e ninguém está a gritar que os países hispano-americanos querem americanizar o espanhol falado na Europa. Diz alguém que os espanhóis devem deixar de usar a segunda pessoa do plural? Pois não. Diz alguém que devem passar ao voseo rioplatense (desde algum tempo incluído nos paradigmas de conjugação)? Também não.


Recordo: fostes vós, os portugueses, a romper a unidade ortográfica da língua portuguesa em 1911. O Acordo Ortográfico de 1990 nem sequer elimina todas as diferências entre a ortografia brasileira e a dos demais países de fala portuguesa, e para a qual os brasileiro também deveram despedir-se dalgumas particularidades como o trema. Depois de várias etapas de reaproximação ne século passado, os dois padrões nem tornaram a ser um.
Então, porque alguns portugueses se exaltam pela suposta — e não verdadeira — abrasileiração do padrão ortográfico europeu?

 

Isabel:

As diferenças são enormes, e NÃO é pelo facto de o Brasil ter milhões de falantes e escreventes de uma VARIANTE do Português, que levará à extinção da Língua Portuguesa, como é objectivo político. O Brasil que fique com a sua Variante, e que a transforme em Língua Brasileira.

 

Alexey:

Seja conseqÜente e use a ortHograPHia correcta de antes do 1911. Vá ao theatro, compre os seus medicamentos na pharmácia e mire os cygnos nos parques.


Ao tratar-se da influência do português brasileiro no português europeu a ortografia é o menor problema. Nem sequer o léxico é um problema, pois muitas vezes uma palavra frequente na variedade europeia é uma variante marginal no Brasil e, ao revés, uma variante dominante no Brasil é uma variante marginal no Portugal (mais difícil é quando uma palavra tem significados diferentes aquém e além do Atlántico). Bem mais significativa é a influência na pronúncia e na gramática: generalização da próclise, uso de construções como "vejo ele" em vez de "vejo-o" etc. Aquela não penetrará na fala dos portugeses por culpa do Acordo ortográfico de 1990, mas porque as crianças e os jovens portugueses se exporem a música, produção cinematográfica e televisiva e textos escritos que empreguem a variedade brasileira.

 

Isabel:

Não a queremos Brasileira, porque a Brasileira está deslusitanizada, italianizada, afrancesada, castelhanizada e americanizada, e mais o que vier. E isto é já OUTRA língua.
Jamais a Língua Portuguesa será destruída, porque também somos milhões a preservá-la.

 

Alexey:

Já. Simplesmente as duas variedades enveredaram por caminhos distintos. As influências do italiano e francês no português brasileiro não são maiores do que no português europeu: cada vez que diz ou escreve "chapeu", cada vez que usa palavras em -agem a Senhora usa francesismos. Os castelhanismos no português do Brasil não se dão se não nas variedades das regiões fronteiriças, principalmente com a Argentina e o Uruguai. As influências americanas? Meh…


O que a Senhora não entende ou não quer entender é que as línguas se evolvem no tempo, todas, de maneira mais ou menos rápida. Se a língua portuguesa fosse imutável, a Senhora estaria ainda a falar latim.

***

(O que EU respondi a Alexey Gukov):

 

Isabel A. Ferreira

 

Primeiro: não confunda INDIGNAÇÃO com agressividade, por favor. São coisas diferentes, e EU tenho o direito à MINHA indignação, por estarem a tentar destruir a MINHA Língua Materna, a Portuguesa, e a ÚNICA (repito), porque o que se fala e escreve no Brasil é uma VARIANTE, que será transformada em Língua, como o Galaico-Português, derivado do Latim, se transformou em Língua Galega, na Galiza, e Língua Portuguesa, em Portugal. Bem como o Crioulo Cabo-Verdiano, com origem no Português, já é a Língua Cabo-Verdiana. E o Brasil só ainda NÃO elevou a sua Variante Brasileira, por uma questão meramente política, onde a DESTRUIÇÃO da Língua Portuguesa é objectivo principal dessa política, para depois imporem a Língua Brasileira.

 

Segundo: a DESVIRTUAÇÃO da Língua Portuguesa, encetada pelo Brasil, NÃO é suposta, é REAL. Veja que os Africanos, de expressão portuguesa, NÃO desvirtuaram o Português, não o DESLUSITANIZARAM, não o afastaram da sua GENETRIZ, como fizeram os Brasileiros, e apenas os Brasileiros o fizeram, ILEGITIMAMENTE (pois a Língua Portuguesa era e É a Língua de Portugal, um país soberano, e nenhum outro país soberano tem o direito de desvirtuar a Língua de outro país soberano e continuar a chamar-lhe portuguesa). O Brasil MUTILOU a Língua aquando do Formulário Ortográfico de 1943, numa tentativa de baixar o elevado índice de analfabetismo, então existente no Brasil, o que, ao que parece, ainda NÃO resultou, pois o Brasil continua com um elevado índice de analfabetos.

 

Terceiro: não gosto de puxar pelos meus galões, mas a isso estou a ser obrigada. O que o senhor NÃO sabe é que eu já estudei no Brasil, e sei o que é o estudo da linguagem no Brasil; fui Professora de Português em Portugal, enveredei depois pelo Jornalismo e tenho vários livros publicados, o que faz da Língua Portuguesa o meu mais precioso instrumento de trabalho, por isso, de Língua Portuguesa SEI EU, e também sei da Língua que há-de ser designada por Brasileira, e sei das restantes variantes que Portugal espalhou pelo mundo.


Quarto: NÃO há português europeu (REPITO). Há Língua Portuguesa. Ponto final. Todas as suas VARIANTES valem tanto quanto a GENETRIZ delas, apenas no país delas. Porém, o que aqui está em causa é a IMPOSIÇÃO da Variante Brasileira do Português a Portugal e aos restantes países, ditos, lusógrafos, os quais, e muito bem, a REJEITARAM, à excepção de Portugal, porque os políticos portugueses são de uma ignorância assustadora!!!!!

 

Quinto: o que vale para as Línguas Castelhana (não existe língua espanhola), Inglesa, Francesa, Holandesa, Alemã, NÃO VALE para a Língua Portuguesa, pois NENHUM país ex-colonizado desvirtuou a Língua-Mãe, como os Brasileiros desvirtuaram o Português. Ponto final.

 

Sexto: a Língua Portuguesa, tal como as restantes línguas indo-europeias EVOLUIU. O Português de Camões não é o Português do século XXI d. C., mas a RAIZ da Língua continua lá. O Inglês de Shakespeare NÃO é o mesmo do século XXI d. C., mas a Matriz da Língua, continua lá. O Brasil assinou a Convenção de 1911, que proporcionou a EVOLUÇÃO da Língua, NÃO a afastando da sua RAIZ, e o Brasil desprezou-a depois. Não nos culpe do rompimento da unidade que JAMAIS existirá na linguagem das ex-colónias portuguesas, muito menos na do Brasil.

 

Sétimo: o AO90, criado por Antônio Houaiss, elimina 99,999% das consoantes não-pronunciadas, e para que não se dissesse que o Brasil nada tinha para mudar, tiraram-lhe o TREMA e mais uns poucos acentos e hífenes. De resto a GRAFIA, no Brasil, ficou IGUAL. Para Portugal, a GRAFIA MUDOU substancialmente, e por causa disso, hoje temos uma MIXÓRDIA ortográfica, única no mundo. Querem unificar a Língua? Então que o Brasil comece a escrever o Português não-mutilado. É algo mais racional.

 

Oitavo: as diferenças entre a Variante Brasileira do Português e a Língua Portuguesa são gigantescas e abarcam a fonologia, a ortografia, o léxico, a morfologia, a sintaxe e a semântica. E isto BASTA para que chamem ao que escrevem e falam no Brasil, Língua Brasileira.



Nono: por acaso sabe por que motivo se passou dos fonemas gregos PH para F, e TH para T, e do Y para I, se não sabe é melhor ir aprender os Alfabetos Latino e Grego e terá a resposta científica. Sabe o que o PH significa hoje? É o símbolo da IGNORÂNCIA dos que seguem o AO90.

 

Décimo: eu uso anglicismos e galicismos para EVITAR o aportuguesamento e abrasileiramento HORROROSOS, e traduções HORROROSAS que existem, principalmente na Variante Brasileira do Português. É que a Língua também é ELEGÂNCIA, é BELEZA, é SUAVIDADE, é HARMONIA visual, e o aportuguesamento ou o abrasileiramento de determinados vocábulos ingleses, franceses ou mesmo castelhanos são de FUGIR!!!! São de uma deselegância e fealdade e aspereza gigantescas.

 

E para terminar quero dizer-lhe que as línguas MUDAM, EVOLUEM, mas NÃO se DESTROEM, NÃO se MUTILAM, como os Brasileiros destruíram e mutilaram a Língua Portuguesa. Por isso, é da RACIONALIDADE que cada país fique com a sua Língua. Tenho certeza de que a Língua Brasileira terá muito sucesso sozinha, sem precisar da MULETA portuguesa. Cortem o cordão umbilical com o ex-colonizador. O Grito do Ipiranga já tem 200 anos, e os Brasileiros ainda arrastam pelo chão o cordão umbilical que os prendeu a Portugal. Porquê?

 

***

 

O conteúdo desta conversa está no link que indiquei mais acima.

 

Capture.PNG

 

Não podemos permitir que um País livre e soberano (Brasil) USURPE a Língua Portuguesa, a Língua de Portugal, um país também livre e soberano, mexa na sua estrutura e continue ILEGITIMAMENTE a chamar-lhe Portuguesa.

 

A questão da Língua e do AO90 é uma questão meramente POLÍTICA e NÃO linguística. Jamais ninguém pretendeu unificar ortografias, porque isso é uma missão impossível, a não ser que o BRASIL abdique da sua Variante e passe a escrever e a falar Português, como, por exemplo, os Angolanos. E se eu estiver errada corrijam-me.



É que tudo isto passa dos limites, e é preciso que a Língua Portuguesa seja RESPEITADA como tal, na sua integridade, porque é OFICIALMENTE a Língua nascida em Portugal, consignada na Constituição da República Portuguesa, sem “diretores”, sem “atores”, sem “arquitetos”, sem “onisciências”, sem “contatos”, sem “Egito”...



Isabel A. Ferreira

***

Comentários a este texto no Facebook, no Grupo NOVO MOVIMENTO CONTRA O AO90

 

Comentáriom Robalo 1.PNG

Comentário Robalo 2.PNG

Capture.PNG

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:18

link do post | comentar | ver comentários (10) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2023

Na SIC Notícias professor questiona que qualidade de ensino teremos no futuro? Por que NÃO aproveitou esta oportunidade para exigir a extinção do AO90, para que o Ensino possa, de facto, ter qualidade?

 

Todos nós entendemos as reivindicações dos professores, no que respeita aos direitos laborais. Ninguém contesta esta parte. Mas, e o resto?

 

PROFESSOR.png

 

O movimento contestatário dos professores NÃO é pelo que está MAL na Escola PÚBLICA no seu TODO: DIREITOS dos alunos a uma educação escolar e um ensino de QUALIDADE, começando pela Língua Portuguesa, que está a ser DESENSINADA, e por manuais escolares elaborados para alunos inteligentes, e não a julgar que eles são idiotas, e também por instalações condignas e professores com uma FORMAÇÃO de QUALIDADE (o que nos últimos tempos tem falhado de um modo inconcebível!)  


Isto é que faz uma Escola Pública ter QUALIDADE.

No entanto, também é importante que os professores tenham uma carreira estável. E é apenas pela carreira estável que os professores estão a lutar. Uma vergonha!!!!!!

 

Os professores estão-se nas tintas para os direitos dos alunos, que mencionei anteriormente, e vêm questionar que espécie de ensino ou que qualidade de ensino teremos no futuro, quando está nas mãos deles pugnar por essa QUALIDADE de ensino, REJEITANDO o anormal “acordo ortográfico de 1990 que, ilegalmente, veio substituir a Língua Portuguesa, o PILAR de todo o SABER de um Povo?  O que fazem os professores? Simplesmente ignoram que a qualidade do ENSINO passa pela aprendizagem de um Português correCtamente escrito e falado.

 

A Escola NÃO é apenas o professor.

 

Em tudo o que já escrevi a este propósito, nunca pus em causa o direito dos professores exigirem melhor condições de trabalho. Nunca.

 

O que eu, e muitos como eu, pomos em causa, é este protesto generalizado APENAS pelo direito laboral dos professores, SEM que nele estejam incluídos também os DIREITOS dos alunos.

 

Nestas manifestações primeiro ELES, segundo ELES e terceiro ELES. E é isto que eu, e todos os que estão atentos ao que se passa nas escolas, contestamos. Não, o direito de lutar pelos direitos deles.

 

Quanto à questão do AO90, os professores servilmente, acriticamente aceitaram vender gato por lebre aos alunos, escudados numa obrigação que NÃO têm, por ser mais cómodo.

 

Carlos  Fernandes  DITADURA  ORTOGRÁFICA.jpg

 

E o que se passa, ou poderá passar é o seguinte: ou os professores mudam o discurso e incluem nele também os DIREITOS dos alunos a um ENSINO de QUALIDADE, de facto, ou, se conseguirem levar a água ao moinho deles (direitos laborais materializados) ficando de fora os alunos, o Ensino e a Educação Escolar continuarão mergulhados no CAOS, e a QUALIDADE de Ensino, hipocritamente e aligeiradamente questionada pela rama, continuará ad aeternum a NÃO existir.

 

***

FRANÇÊS.png

 

E já que falamos em CAOS, veja-se o estado caótico em que anda a escrita do NOSSO Português, ainda que isto nada tenha a ver com a estupidez propagada pelo AO90. Mas uma coisa chama a outra, e já ninguém atina com escrever correCtamente.

 

É inadmissível que num programa da RTP (suponho que seja o «Porquinho Mealheiro»), que se quer “cultural”, se escreva “franÇês”, à moda da “desiluÇão” no cartaz de uma professora em manifestação pelos seus direitos laborais. Não admira que as crianças troquem frequentemente os cês pelos ésses e vice-versa, com tantos exemplos de como se escreve MAL em Português, por gente que devia ser o MAIOR exemplo de como escrever BEM em Português.

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:46

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 14 de Janeiro de 2023

Que “DESILUÇÃO” é esta? Se a isto somarmos a mixórdia ortográfica acordista, há que tomar providências! Socorro!!!!! A quem estão entregues os nossos alunos?????

 

Esta inconcebível imagem, foi-me enviada por e-mail, há momentos, com a seguinte mensagem: «Veja a classe de professores que nós temos. Um erro crasso no cartaz em exibição».

 

DESILUÇÃO.png

 

Um erro crassíssimo! E ao que parece, a senhora que leva o cartaz até tem “orgulho em ser professora”. Ai tem????? A dar erros de palmatória, que nem tem nada a ver com o tortográfico acordo de 1990? E as outras professoras? Não deram pelo erro? 

 

Talvez aquela “desiluÇão” seja para rimar com “governaÇão”, que tanto nos DESILUDE também. Mas se é, teria de levar ASPAS, algo que a senhora professora devia saber. A isto chama-se falta de profissionalismo, falta de brio profissional.


O certo, certo, é que com professores que NÃO sabem escrever correCtamente o Português, ou se sabem, NÃO têm o mínimo brio profissional, para verificarem o que escrevem num cartaz, o ENSINO fica cotado por baixo, e não se está a dar bons exemplos aos alunos.

 

Estarão a lutar pelos “bolços”? Exigem RESPEITO?  Por que cartilha aprenderiam a escrever PORTUGUÊS? Porque os erros ortográficos (uma vez que o AO90 é ilegal) e a oralidade nivelam os professores por baixo.

 

Não é possível deixar de me sentir envergonhada, e lamentar que o ENSINO das crianças e dos jovens do meu PAÍS estejam entregues a professores que dão erros ortográficos crassos. E não se pense que isto acontece apenas nos cartazes, também dentro das escolas os erros são crassos.

 

Dá-se uma voltinha pelas imagens do protesto dos professores e só se vê cartazes a pedir respeito. Mas tudo isto é uma FALTA DE RESPEITO para com os alunos, nomeadamente o faCto de estarem a ensinar-lhes uma inconcebível mixórdia ortográfica.

 

Daí que vá entrar neste protesto de professores, exibindo o MEU cartaz:


DIGAM NÃO AO AO90.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:42

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2023

Ministério da Educação pede parecer à PGR sobre a legalidade da greve dos professores. Aproveitem a ocasião para pedir também parecer sobre a ILEGALIDADE do AO90

 

Nada contra as greves por direitos laborais, e neste campo apoiamos os professores.  

 

Tudo contra o que está a passar-se no âmbito do Ensino do Português, que deixou de ser Português, estando os direitos dos alunos a ser vilmente transgredidos, porquanto o AO90, que os professores, desinformadamente (para ser simpática), dizem ser obrigados a usar, é ILEGAL (algo que está mais do que comprovado) e como tal, a mixórdia ortográfica, que está a ser ensinada aos alunos, além de estar a transformá-los nuns analfabetozinhos funcionais, pode configurar um crime de lesa-pátria.



E o pior é que TODOS os poderes da Nação portuguesa, bem como os próprios professores, e aqueles pais, que fecham os olhos à educação dos filhos, estão-se nas tintas para o ensino ANORMAL da Língua Materna, o PILAR de todo o SABER de um Povo.


E uma vez que o Ministério da (des)Educação quer um parecer da PGR sobre a legalidade da greve por direitos laborais, que peça também um parecer (aliás que já muitos juristas deram e são unânimes) sobre a ILEGALIDADE do AO90, e a NÃO obrigatoriedade de ser aplicado nas escolas portuguesas, ou em quaisquer outras instituições ou empresas, porque uma Resolução do Conselho de Ministros (RCM) não faz lei.



Haja em Portugal quem ponha ordem na casa, uma vez que Marcelo Rebelo de Sousa, representante-mor da República Portuguesa, que se mete em tudo, no que deve e no que não deve, está impedido de repor a legalidade da Língua Portuguesa,  por motivos absolutamente inimagináveis.

 

Isabel A. Ferreira

 

Vasco Graça Moura.jpeg

 

Comentário no Grupo NOVO MOVIMENTO CONTRA O AO90 do Facebook:

Carlos Martins.PNG

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:22

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 4 de Janeiro de 2023

Como podem os professores (em greve) exigir RESPEITO e ensino de QUALIDADE se não respeitam os alunos, ao ministrarem-lhes uma ortografia que não pertence a Portugal, nem faz parte da Cultura Linguística Europeia?

 

Não há escolas de qualidade, sem um ensino de Português de QUALIDADE. Os professores exigem respeito, mas NÃO respeitam os alunos, ao ministrar-lhes uma MIXÓRDIA ORTOGRÁFICA, gerada pelo AO90, única no mundo.

 

Concebo que lutem pelos direitos a que têm direito, contudo, acrescentem a esses direitos o DEVER de ENSINAR com QUALIDADE. Não é andar a enganar os alunos, vendendo-lhes gato por lebre, algo que eles, não sendo parvos, reconhecem de imediato.

 

Que RESPEITO para com os professores que assim agem?

 

Se para os professores SÓ contam os seus "direitos", NÃO merecem o RESPEITO de ninguém.

 

Um PROFESSOR não existe apenas para ter uma CARREIRA, mas também, e PRIMORDIALMENTE, para exercer a sua sagrada missão de ENSINAR com aquela QUALIDADE à qual os alunos têm DIREITO, consignado na Constituição da República Portuguesa.

 

Os professores não se façam de vítimas, porque as principais vítimas dos ACTUAIS professores, que se estão nas tintas para o ENSINO da Língua Portuguesa, optando pela mixórdia que NÃO SÃO obrigados a ministrar, são os alunos.

 

Uma escola de qualidade é aquela em que os alunos recebem um ENSINO de QUALIDADE.

 

Exijam os vossos direitos, mas PENSEM também no DIREITO dos ALUNOS.

 

Um professor só é Professor se somar o seu DEVER ao DIREITO dos alunos. E a LUTA dos professores só será VÁLIDA se estes aliarem os seus DIREITOS aos DIREITOS dos alunos.

 

O que se passa nas escolas portuguesas, hoje em dia, é uma vergonha, que desqualifica a profissão de professor. E aqui refiro-me a TODOS os professores, e NÃO SÓ aos de Português.

 

A mediocridade assentou arraiais nas escolas públicas portuguesas. Desventurados alunos que tiveram o AZAR de ter de estudar nos tempos que correm... Os mais afortunados vão para o estrangeiro estudar.

 

A escola é procurada para se ir aprender, não, para se ir DESAPRENDER.

 

Os que, com formação académica superior, têm filhos e netos a estudar, podem comprovar o caos em todas as disciplinas e em todos os graus de ensino, devido ao uso incorreto (TF: “incurrêtu”) da Língua Portuguesa.

Os alunos escrevem correCtamente as línguas estrangeiras: o Inglês (obrigatório), o Castelhano (NÃO existe língua espanhola), o Francês e o Alemão (opcionais). No entanto, a própria Língua Materna é grafada de um modo absolutamente IDIOTA, porquanto esvaziada da sua GENETRIZ.

 

Já é tempo de regressar à RACIONALIDADE, senhores professores!!!!!!

 

Isabel A. Ferreira

 

Ensino de qualidade.png

Respeito.png

 

«***RESPEITO*** pela carreira profissional, exigem os professores em intensas manifestações. Legítimo, sim! Mas e o RESPEITO pela Língua? Não seria também importante aproveitar o momento para exigir RESPEITO pela Língua, a "ferramenta" principal de qualquer pessoa, em especial dos professores?! »

Paulo Teixeira

 

Fonte da imagem e comentário:

https://www.facebook.com/photo?fbid=6413430638684433&set=gm.1289594368500857&idorvanity=1059980261462270

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:02

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2022

Professores em greve, reivindicam uma escola pública com “qualidade”. Desconhecerão que só haverá QUALIDADE quando atirarem o putrefeito AO90 para o caixote do lixo?

 

Hoje, ao ver as notícias, ouvi que os “professores” estão em greve por tempo indeterminado. Reivindicação: querem uma escola pública de qualidade. Mas a que qualidade estarão a referir-se? A obras de melhoria nos edifícios escolares, uma vez que em muitos deles chove e faz frio e têm telhados de amianto?  Ou referem-se à qualidade da estrutura do instrumento mais precioso de um professor: a Língua Portuguesa, que transformaram numa mixórdia ortográfica, com a qual comunicam os saberes (?) aos alunos? E estes saem da escola sem saber GRAFAR a própria Língua Materna, e disso dão-se conta, porque estudam Línguas da mesma família da Língua Portuguesa, e como não são parvos, sabem que estão a grafar a sua Língua à brasileira?

 

Jamais haverá uma escola de qualidade SEM uma Língua de qualidade.


Por que insisto nesta tecla?

Porque a Língua é o PILAR do conhecimento. É a alma da escrita. É o instrumento que FIXA o Pensamento e a Cultura de um Povo.

E ao escreverem como escrevem (Deus me livre de tal choldraboldra!) estão à altura e um analfabeto funcional, que transmite um saber truncado e NÃO de um PROFESSOR que transmite SABER.



Envergonho-me desta classe docente desprestigiada (ou devo dizer indecente?) que não tem um pingo de brio profissional e só pensa nos bolsos. Devo ressalvar aqui as raras excePções que NÃO rastejam e sabem que têm o direito e o DEVER de comunicar com os alunos através da GRAFIA portuguesa, e não da mixordice em que a transformaram os ignorantes, e essas excePções NÃO são penalizadas, porque CUMPREM a lei vigente em Portugal.

 

Isabel A. Ferreira

 

IGNORÂNCIA.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:36

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Carta enviada aos profess...

. Um texto do Professor An...

. Será que em Portugal o «p...

. Os governantes NÃO estão ...

. Facto: o AO90 foi criado ...

. Na SIC Notícias professor...

. Que “DESILUÇÃO” é esta? S...

. Ministério da Educação pe...

. Como podem os professores...

. Professores em greve, rei...

.arquivos

. Junho 2024

. Maio 2024

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO