Domingo, 3 de Junho de 2018

POSSO PERGUNTAR?

 

Parodiando o argumento dos defensores do AO90: o que não se lê não se escreve.

 

POSSO PERGUNTAR.png

 

Estou aqui a pensar nas desventuradas crianças inglesas e alemãs que aprendem aqueles thoughts e aqueles Auschwitzes sem pestanejar... e as nossas crianças (as actuais, porque as das gerações anteriores estão fora desta apreciação), coitadinhas, como  podem compreender que em palavras como concePção, excePção, recePção, a consoante não articulada é um , e que em vocábulos como correCção, direCção, objeCção, tal consoante é um (conf. Nota Explicativa do AO90, publicada no Diário da República)?

 

Realmente como é que as nossas desventuradas crianças vão compreender isto, e que os vocábulos humidade, homem, hora, haver, levam aquele agá que não se lê, mas tem de se escrever?

 

Isto não será uma enorme tragédia grega? As crianças portuguesas, da actual geração, nascerem todas com deficiência intelectual, e não conseguirem compreender algo que todas as crianças das outras gerações compreenderam, e que por toda a Europa todas as crianças compreendem?

 

Não haverá nisto uma projecção freudiana, da incapacidade intelectual dos actuais adultos em perceber o alcance da parvoíce que andam por aí a espalhar, e transpõem essa incapacidade deles para as crianças que, por serem crianças, conseguem assimilar muito mais facilmente tudo o que lhes é ensinado? Pois não é esta a fase da vida de um ser humano mais propícia à aprendizagem de todas as coisas?

 

A este uso e abuso da falsa incapacidade de as crianças aprenderem correCtamente a sua Língua Materna, chama-se crime de lesa-infância, que deve ser punido severamente, pois põe em causa o futuro dessas crianças no que diz respeito à Educação e Cultura. São fortes candidatas a analfabetas.

 

Deixo isto à consideração de pais, professores e psicólogos, uma vez que os políticos estão tão cegos por servir o estrangeiro, que não se dão conta da imensidade deste crime.

 

Isabel A. Ferreira

  

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:12

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 18 de Maio de 2018

DIVAGAÇÃO SOBRE A LÍNGUA

 

 Um texto de Josefina Maller

 

DIVAGAÇÃO.jpg

 

Poderia ter morrido. Mas não morri.

 

Andei perdida. Mas encontrei-me. Num curto espaço de tempo, tanta coisa aconteceu…

 

O mundo endoideceu. Portugal afunda-se… ou já estará no fundo?

 

Eu, que respiro palavras, e que tenho a escrita a correr-me nas veias, emudeci…

Disseram-me que a Língua Portuguesa já não é mais grafada à Portuguesa… Será verdade?

 

Disseram-me que a Língua agora e uma mescla de palavras tão mal escritas como mal ditas.

 

Recuso-me a acreditar que fizeram isto à Língua Portuguesa. De Dom Diniz a Lviz Vaz de Camões, a Língua evoluiu. De Lviz Vaz de Camões a Fernando Pessoa, a Língua evoluiu. De Fernando Pessoa ao Prémio Nobel José Saramago, a Língua evoluiu.

 

E agora José?

 

Inventaram outra língua? Já não é mais a nossa Língua? Querem impô-la, apenas por que sim? Porque interessa ao estrangeiro? Isso não é argumento.

 

O que fazer então?

 

Eu sei o que vou fazer. Mas o que farei não salvará a Língua.

 

Contudo, temos o DEVER de salvá-la. Ela é a NOSSA identidade.

Os professores de Língua Portuguesa têm o DEVER de salvar a Língua.

 

A geração futura não pode aprender a escrever numa grafia que já não é a Portuguesa: a de Dom Diniz, a de Camões, a de Fernando Pessoa, a de José Saramago… e a do Padre António Vieira, que já corre por aí bastamente mutilada…

 

Eu jamais escreverei de acordo com esse que dizem ser um acordo, mas que nem sequer existe… Porém, o que eu fizer, não salvará a Língua, porque existem as crianças…

 

O que estão a fazer às crianças?...

O que estão a fazer à Língua Portuguesa?

 

Josefina Maller

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:04

link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 19 de Março de 2018

SOPHIA E OS “GÓLOS” DE RONALDO

 

O anúncio da MEO é um pouco enfadonho, mas não deixa de ser interessante.

Estejam atentos.

 

RONALDO.png

 

Ronaldo e a andróide Sophia, aliás bonitinha e muito simpática, e se lhe cobrissem a cabeça com uma bela peruca, ficaria quase, quase humana, travam uma conversa sobre os conhecimentos dela sobre a vida de Cristiano Ronaldo.

 

A alturas tantas Sophia alude aos “gólos” (transcrição da pronúncia) do futebolista.

 

Bem, Sophia, sendo andróide, não tem obrigação de saber falar Português fluentemente. Não tem.

 

Desconheço como esta coisa de pôr uma andróide a falar se processa.

 

Também não sei quem foi o responsável pela produção do anúncio.

 

Mas uma coisa eu sei: sei que sem intervenção humana, o “boneco” jamais falaria o que quer que seja.

 

Em Bom Português aquilo que o Ronaldo faz muitíssimo bem é um golo (gôlo) (do Inglês goal - gôl), plural, golos (gôlos).

 

Não se lê do mesmo modo que colo (cólo), do grego kólon.

 

Ora, Sophia, com a sua inteligência artificial, não tem de saber estes pormenores, e apenas repete aquilo para a qual foi programada.

 

Mas nos tempos que correm, nem os andróides escapam a esta ignorância da Língua Portuguesa, entranhada nos mais estranhos lugares.

 

Bem sei que isto nada tem a ver com a introdução em Portugal do malfadado AO90, que, no entanto, ajuda à missa cantada da ignorância desavergonhada, mas tem a ver com três factores que, por mais incrível que pareça, germinam na Assembleia da República Portuguesa e depois espalham-se por aí…

 

1 - Um total desleixo quanto à preservação da Língua Portuguesa;

2 – Um monumental desconhecimento das regras gramaticais;

3 – Uma descomunal falta de brio profissional.

 

Este tipo de gafe da andróide Sophia (não vou chamar-lhe ignorância, porque a senhora não tem culpa) está generalizado não só em anúncios, mas principalmente nas “falas” de senhores deputados da Nação, ministros, presidentes, directores, administradores, professores, doutores, engenheiros… enfim a elite portuguesa, que passou por universidades, e que devia dar o exemplo de bem-falar e bem-escrever, e são os piores.

 

Fica para uma próxima, a abordagem das gafes linguísticas dos nossos “letrados”.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:35

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 13 de Março de 2018

AO CUIDADO DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA E DOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

 

Se os professores se unissem contra o AO90, como se unem por outros motivos, não estaríamos a viver esta tragédia linguística, que está a afectar os alunos portugueses, obrigados a aprender a grafia brasileira e a rejeitar a grafia portuguesa.

 

GRAMÁTICA.png

 

Texto de Luís Filipe Pimentel Costa

 

«Não haveria ditadores se não tivessem quem os siga.

 

O principal responsável é o homem bom e cumpridor das legalidades que denuncia o vizinho, levando a que seja torturado e eventualmente morto.

 

Os principais responsáveis são os soldados que vêem buscar o vizinho denunciado pelo delator.

 

O principal responsável é o sargento que interroga o vizinho denunciado.

 

O principal responsável é o cabo que tortura o vizinho denunciado, "apenas" cumprindo ordens.

 

São mais responsáveis que os generais sentados nas suas poltronas, apenas a cagar ordens.

 

Estes generais só são mais responsáveis que o ditador que, do alto do seu púlpito dança sobre a cabeça dos generais, sem os quais se despenharia e seria encerrado num manicómio.

 

Responsáveis são os professores que se dizem contra o acordo ortográfico e todos os dias violentam os alunos, ensinando-os e obrigando-os a escrever errado.

 

Imagine-se todos estes professores ... dezenas? centenas? dezenas de centenas? Imagine-se todos estes professores a recusarem-se a violentar os alunos na sua cidadania. Imagine-se TODOS estes professores a formarem uma associação que se manifestasse nos meios de comunicação social, que se manifestasse no ministério que deveria ser da Educação.

 

Terão os seus porquês, as suas justificações, mas o facto é que são responsáveis, dos principais responsáveis pela manutenção e propagação do porcalhês que segue o acordo ortográfico de 1990.

 

Como os professores, também os encarregados de educação que se dizem contra o acordo ortográfico de 1990. Imagine-se todos estes encarregados de educação, TODOS, a recusarem que os seus educandos sejam violentados na sua cidadania e obrigados a escrever errado. Imagine-se TODOS estes encarregados de educação a OBRIGAREM, a EXIGIREM que os seus educandos, não sendo, como não são funcionários públicos, não sejam violentados na sua cidadania e OBRIGADOS a escrever ERRADO.

 

Mais me preocupa o silêncio dos bons que voltam a cabeça para o lado, do que as atrocidades dos maus.

 

O importante é reconhecermos os nossos erros. O importante é, reconhecendo os nossos erros, dispormo-nos e esforçarmo-nos a não os repetir. Importante também é transmitirmos aos outros o conhecimento dos nossos erros, numa tentativa de que os outros os não façam.

 

Afinal de contas, todos nós somos humanos, e como tal erramos. Se não errássemos seriamos deuses.

 

Para mim o importante é falar/escrever o que penso, como vejo as questões, sem procurar seguidores, sem procurar gostos, nas minhas publicações e nos meus comentários.

 

Luís Filipe Pimentel Costa»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/groups/escritoressemacordo/permalink/1248011418654576/

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:24

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2018

NÃO EXISTE LEI ALGUMA QUE OBRIGUE UM PROFESSOR A ENSINAR PORTUGUÊS SEGUNDO A CARTILHA BRASILEIRA NAS ESCOLAS PORTUGUESAS

 

«Sabem o que me disse uma funcionária do Ministério da Educação há alguns anos? Que se os professores se recusassem ORGANIZADAMENTE a não ensinar o AO ele não teria passado. Fica aqui o que muitos pensam sobre todas as formas de um abjecto conformismo. Não é só não votar - é não agir. Conheço professores do ensino básico e secundário que NÃO aplicam o AO e até hoje não tiveram qualquer processo disciplinar». (Teresa Cadete)

 

Conhecendo bem, como conhecem, o espírito acrítico e submisso do povo português, os governantes acenaram-lhes com uma resolução do conselho de ministros, e uns tantos caíram como patinhos… Acharam que aquilo era uma Lei.

 

É que PENSAR dá muito trabalho… OBEDECER é muito mais simples, até na supressão das consoantes mudas e acentos e hífenes, para facilitar a escrita… Então não é?

 

EDUCAÇÃO.jpg

Origem da imagem:

http://libertariosufpel.blogspot.pt/2015/07/neste-segundo-semestre-de-2015-teremos.html

 

Não existe lei alguma que obrigue um professor a ensinar Português, segundo a cartilha brasileira, nas escolas portuguesas.

Então por que ensinam?

 

Três hipóteses:

- Monumental desinformação;

- Desmedida subserviência ao poder instalado;

- Gigantesca ignorância optativa…

 

***

Este é o relato de uma conversa que travei com um professor, numa publicação do Facebook, escrita à moda brasileira.

 

Eu disse:

Nenhum professor é obrigado a escrever segundo a cartilha brasileira.

 

O professor disse:

«Na escola somos obrigados a escrever segundo o acordo ortográfico. ´´E uma imposição a que nós, professores, temos de obedecer. Não gosto, é atentatório para a raiz da nossa língua, mas a culpa não é minha é de quem assinou esse acordo. É a esses que tem de pedir satisfações, não a mim. Nisso, os colegas do departamento de línguas deveriam ter uma palavra a dizer. Por isso, não sou eu que estou a pregar o último prego no caixão do Ensino em Portugal. a sua visão não está nada correta e está a misturar as coisas. A "obrigação" de obedecer com a "concordância" com o mesmo (que não tenho)».

 

Eu insisti:

Está muito enganado. Nenhum professor, nenhum aluno, nenhum cidadão português é obrigado a escrever segundo a cartilha brasileira, porque não existe LEI nenhuma que o obrigue. Já parou para pensar nisso? Já questionou alguma vez essa possibilidade? Já perguntou a quem de direito onde está a LEI que obriga um português, em Portugal, a escrever segundo a cartilha brasileira?

Não é a minha visão que não está correCta. É a sua visão que está incorreCta. Peça ao direCtor da sua escola que lhe mostre a LEI que o obriga a escrever incorreCtamente. E se lhe mostrarem um ofício com a Resolução do Conselho de Ministros isso não é LEI. Só uma LEI obriga. Os professores acomodaram-se, porque é mais fácil acomodarem-se do que questionar.

 

O professor continuou:

«Portanto, segundo a colega todos os colegas que tiveram de se adaptar ao novo acordo ortográfico são responsáveis pela destruição do Ensino em Portugal. Não vou sequer continuar esta conversa, porque não vejo qual o sentido da mesma».

 

Eu continuei a afirmar:

Ninguém é obrigado a OBEDECER a algo que é ILEGAL. O AO90 é ILEGAL. Logo, nenhum cidadão português é obrigado a obedecer a uma ILEGALIDADE. Não sabia disto?

Não tenha qualquer dúvida. Todos os professores que aceitaram ensinar algo que é ILEGAL são responsáveis pela destruição do ENSINO em Portugal, porque a Língua engloba todas as disciplinas, e ela, a Língua, anda por aí a ser esmagada, servilmente.

 

O professor disse:

«Eu e tantos outros sabemos bem o que passámos quando, no início, já com alguma idade que em nada facilitava esta obrigatória e selvagem mudança, as dificuldades que tivemos.

Lembro-me perfeitamente dos alunos a chamarem-me a atenção para fichas que dava ainda com o português pré-acordo, assim como encarregados de educação achavam incorreto. Todos nós fomos impelidos a ter de o aplicar. Se estamos a escrever em português do Brasil, a culpa é de quem nos obrigou a isso e nos pune se não cumprimos».

«Mais uma vez as ordens e diretivas para o ensino (e não só) vêm de cima e nós somos obrigados a executá-las. Mas não posso aceitar que a culpa seja do mensageiro. Que se insurjam contra os verdadeiros responsáveis que, certamente, não sou eu»

 

Eu disse:

Ninguém vos obrigou. Vocês é que se sentiram obrigados, o que é muito diferente. Sem questionar. Sem oferecer resistência.

Mas ainda vão muito a tempo de recuarem.

Agora sabem que estão a cometer uma ilegalidade. Qual a Lei que vos obriga a continuar a cometer uma ilegalidade?

 

***

E não obtive mais resposta.

O diálogo acabou aqui.

 

É triste quando vemos professores que obedecem cegamente, sem questionar, por isso, é importante uma Educação que ajude a Pensar e não que ensine a Obedecer. Porque neste caso do AO90, obedecer não pensando fez toda a diferença, e o caos ortográfico instalou-se e está a prejudicar radicalmente o Ensino nas escolas portuguesas.

 

E se não se travar isto, vem aí uma geração de semianalfabetos, que será a vergonha da Europa.

 

Pensem nisto.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:38

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2018

O FIM DO ENSINO EM PORTUGAL…

 

O Ensino em Portugal ainda não morreu, mas já fazem fila todos aqueles que querem martelar o último prego do seu caixão.

 

E o fim fica mais próximo…

 

ENSINO26734419_10211210452278672_43851927724820686

 

- Sempre que os professores gastam mais tempo com burocracia do que a preparar as aulas e a leccionar;

 

- Sempre que um professor é vítima de violência e bullying nas escolas;

 

- Sempre que há professor contra professor, seja por que motivo for;

 

- Sempre que um professor, que dedicou uma vida a educar um povo, esgotado se arrasta em serviço por não ver chegar a reforma que lhe vai sendo adiada;

 

- Sempre que os directores se esquecem que também são professores;

 

- Sempre que os sindicatos não se unem em redor do interesse maior de todos os professores e do próprio Ensino;

 

- Sempre que os políticos, que foram formados pela Escola, agradecem-lhe tentando destruí-la, cortando-lhes fundos;

 

- Sempre que os políticos agradecem aos professores, que os ensinaram a ler e a pensar, com a ingratidão de os perseguir e humilhar;

 

- Sempre que os jornalistas e comentadores difamam quem os formou e os ensinou a escrever e a raciocinar;

 

- Sempre que os alunos vão à escola apenas para passar o ano e serem recompensados;

 

- Sempre que os alunos não têm disciplina nem são responsabilizados;

 

- Sempre que os pais vêem a escola apenas como um depósito de alunos;

 

- Sempre que os pais empurram para os professores a responsabilidade de educar os seus filhos;

 

- Sempre que todos perdem o respeito e tiram dignidade às escolas.

 

- Sempre que um professor obriga os alunos a aplicarem a ortografia brasileira, impingida nas escolas portuguesas como um “acordo ortográfico” que nem sequer existe, trocando-a pela ortografia original portuguesa.

 

E assim se mata um povo, destruindo o seu maior legado, que é a Cultura e a Língua Portuguesas, transmitidas através da Educação.

 

O Ensino está a morrer, sim, e ainda ninguém se deu conta disso. Ninguém se deu conta da mágoa de quem se sente magoado, injustiçado, ludibriado, aldrabado… por uns e por outros.

 

O povo que foi instruído, formado, ajudado a sair da miséria, é o mesmo que depressa se esqueceu da importância que as Escolas tiveram nas suas vidas e, sem consciência, talha agora as tábuas do Caixão do Ensino, pela inércia que votam ao que está a passar-se nas Escolas.

 

Texto transcrito para Língua Portuguesa e adaptado daqui:

https://www.facebook.com/groups/se.o.ensino.portugal.falasse/permalink/1560609373986600/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:40

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 19 de Dezembro de 2017

O AO90 É UMA VIOLAÇÃO DO DIREITO À APRENDIZAGEM ÍNTEGRA DA LÍNGUA PORTUGUESA

 

Um texto de Josefina Maller

 

 AO.png

 Origem da imagem: Tradutores Contra o Acordo Ortográfico

  

Tudo o que nós (menos novos) fizermos para preservar a Língua Portuguesa, morrerá connosco. E ficará a nova geração à deriva, com a má língua…

 

Penso que estaria nas mãos dos professores de Português travar esta tragédia. Só eles poderiam ter-se recusado a ensinar a língua desenraizada, que não é a Língua Portuguesa.

 

Só eles podem fazê-lo.

 

Os Sindicatos têm o DEVER de os apoiar numa acção de desobediência, até porque não existe nenhuma Lei que obrigue a ensinar a escrever incorrectamente a Língua Portuguesa. E se não o fazem, é porque não cumprem bem a sua função.

 

E bastava que um grupo, ainda que pequeno, de professores RESISTISSE, e a onda agigantar-se-ia…

 

E o que vamos ensinando e a quem? As crianças, que estão a aprender a ler e a escrever, o que sabem do saber da Língua?

 

Estão a ser obrigadas a aprender algo que está errado.

 

É como se quisessem impor novas normas à Matemática, e dissessem às crianças que dois mais dois agora passa a ser cinco… porque sim. E elas, que não sabem, acreditam. E repetirão o erro ‘ad aeternum'.

 

E isto é uma violação do direito à aprendizagem íntegra da Língua Portuguesa que todas as crianças têm.

 

Josefina Maller

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:15

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 7 de Novembro de 2017

«DESVENTURAS DO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA»

 

Por que será que os governantes portugueses se recusam a ouvir estas vozes? Estas verdades? O que têm a perder? A quem não podem dizer “não”? Que fretes andam a fazer?

 

Um magnífico texto de Maria do Carmo Vieira.

Sem papas na língua…

 

MARIA.jpgMARIA DO CARMO VIEIRA

 

«Será difícil compreender que é impossível uma escola funcionar com reformas contínuas, ordens e contra-ordens, numa manifesta falta de respeito pela comunidade escolar?

 

O presente não se compreende sem o passado, nem o futuro se constrói sem esse diálogo reflexivo, em que a memória é essencial. No entanto, e no que ao Ensino diz respeito, com realce para a disciplina de Português, pensou-se ser possível quebrar essa ligação com uma imposição, a favor da qual se envolveram, entusiasticamente, aventureiros que, com ligeireza e à vontade, se movimentaram, e continuam a movimentar, nos corredores e gabinetes do Ministério da Educação (ME). Sempre houve quem gostasse de se pôr em bicos de pés, na ânsia de ser notado e incluído numa espécie de corte de confiança, ou se vendesse por um prato de lentilhas. [1] Em comum, o oportunismo, a arrogância, o vício de bajular, a pobreza espiritual e cultural. Lamentavelmente, a Educação, ao longo dos anos, tem sido um terreno fértil para estes aventureiros.

 

Foi nas minhas discussões com colegas da então direcção da Associação de Professores de Português (APP), nomeadamente com Paulo Feytor Pinto, seu presidente, que pela primeira vez ouvi defender que a Literatura deveria ser retirada dos programas de Português porque não tinha qualquer utilidade para os alunos, devendo ser substituída por textos “funcionais”, “utilitários” e “informativos” (***). Sublinho o vocábulo porque na altura me surpreendeu o triste raciocínio. A Literatura ficaria reservada só para os alunos de Humanidades. Os restantes dedicar-se-iam exclusivamente à Língua (daí a proposta de mudança de nome da disciplina de Português para Língua Portuguesa) e o seu ensino focar-se-ia numa Gramática renovada pela moderna investigação linguística.

 

O trabalho realizado pela APP, “Relatório sobre O Ensino e a Aprendizagem do Português na Transição do Milénio” (2002), em estreita cumplicidade com o Ministério da Educação que, então, ultimava a reforma curricular de 2003, veio reafirmar o pesadelo, ou seja, a decisão de privilegiar o “português funcional”, o “útil”, bem como a reflexão sobre “o funcionamento da língua”, aparecendo a Literatura, que não se conseguira expurgar completamente dos programas, como era vontade da APP e comparsas, como um mero tipo de texto, entre tantos outros considerados “úteis”. A justificação da mudança apontava, reiteradamente, para a necessidade de responder com eficácia “às múltiplas solicitações de empregadores e da sociedade em geral”. Um discurso que não se distancia do actual, aliás, perceptível na intervenção do Secretário de Estado da Educação (SEE), João Costa, aquando da realização da Conferência Currículo para o Século XXI, em Abril de 2016, na Fundação Gulbenkian.

 

Depois deste primeiro golpe, que menorizou efectivamente a Literatura nos programas, retirando inúmeros autores clássicos porque sem qualquer “utilidade” para os alunos e contrários “aos seus interesses” (ideias que ainda hoje vingam no ME), surgiu a “Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário” (TLEBS), uma inovação indissociável do nome do actual SEE, João Costa, cujo objectivo seria, assim fora dito aos professores, “uniformizar a nomenclatura gramatical”, devastada, aliás, por uma outra aventura linguística, a “Gramática Generativa” (a das “árvores”, como alguns a conhecem). O certo é que não houve uniformização alguma, pois não era esse o objectivo, e professores e alunos viram a Gramática tradicional substituída por uma caótica e estéril descrição do funcionamento da língua, considerada por linguistas de referência como um verdadeiro “disparate”. Os disparates foram tais que o próprio ME, face à intensidade da polémica gerada, reconheceu a necessidade de aqueles serem corrigidos, um trabalho que integrou a esposa de João Costa, que considerara “incontornável” a aplicação da TLEBS, fazendo ambos parte da Associação Portuguesa de Linguística (APL).

 

Eis duas Associações (APP E APL) e dois nomes (Paulo Feytor Pinto e João Costa, cúmplices na origem da desastrosa e precipitada alteração feita ao ensino da disciplina de Português, na Reforma de 2003, cujos efeitos nocivos permanecem, e que funcionaram como interlocutores quase exclusivos do Ministério da Educação. Eis os que consideraram, a uma só voz, útil a TLEBS e o “português funcional”, mas inútil a Literatura, como inútil a contextualização dos autores e das suas obras, através da qual um professor faz intervir outras artes, bem como a História ou a Filosofia. Tudo inutilidades e “perda de tempo”.

 

A propósito da controvérsia “útil” / “inútil” e da advertência para a “utilidade de saberes inúteis”, não posso deixar de transcrever uma reflexão muito criativa de Óscar Wilde (1854-1900) sobre a Arte, que de há muito me acompanha: Pode-se perdoar a um homem o fazer uma coisa útil, enquanto ele a não admira. A única desculpa que merece quem faz uma coisa inútil é admirá-la intensamente. Toda a arte é absolutamente inútil.

 

João Costa talvez não conheça ou não queira compreender o sentido da frase de Óscar Wilde. Bem pode referir a cidadania ou a necessidade de desenvolver o espírito crítico ou defender o estudo do Latim e do Grego ou a importância da Arte, na qual se inclui a Literatura. Falta seriedade e exigência ao seu discurso, e as suas decisões têm-no evidenciado. A relação do SEE com a Literatura é idêntica à da ex-ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, e que ficou indiscutivelmente espelhada quando, a propósito do prolongamento do horário dos alunos do 1.º ciclo, na escola, questionava, com o seu habitual sarcasmo, se os professores não seriam capazes de “entreter” os alunos com “um poemazito”? Talvez as palavras de António Damásio, mais explícitas, propiciem a ambos uma benéfica reflexão sobre o assunto: “[…] o teatro, a literatura, a poesia e outras artes criam emoções inesquecíveis e a sua aprendizagem é muito importante na criatividade, no desenvolvimento de capacidades ligadas à inovação. […] As emoções são fundamentais para as decisões racionais, que por sua vez determinam acções.”[2]

 

A estas aventuras desastrosas, no que ao ensino do Português diz respeito, acrescenta-se a do Acordo Ortográfico de 1990 (AO 90), indissociável do nome de Malaca Casteleiro, e cujas nefastas consequências junto dos alunos são amplamente visíveis, com os professores forçados a cumpri-lo e a fazer papel de ignorantes, caso respondam às dúvidas dos alunos, suscitadas pelas inúmeras incoerências do AO 90, como aconselhou a actual presidente da APP, e parafraseio, é assim porque assim foi decretado. Uma nova forma de reflectir sobre o “funcionamento da língua”!

 

A Língua Portuguesa, património colectivo, foi também atingida pelo conceito de inutilidade, dada a sua “complicada e difícil ortografia” (o que dirão os alemães, os polacos ou os chineses?) à qual os “elitistas” (os não-acordistas) resistem contra a vontade “do povo povo”. De novo, nas palavras de Malaca Casteleira e acólitos, entre os quais se inclui igualmente a APP, o discurso miserabilista, o desejo de manter a ignorância, de impedir o acesso à cultura e à compreensão da história da palavra que a etimologia, a componente cultural da ortografia, revela, criando curiosidade e afeição pela palavra. Os alunos não gostam de acentos, tirem-se os acentos, complica-se a escrita com as consoantes “c” e “p”, que desgastam também a memória das crianças, omitam-se, são algumas das justificações “científicas” dos mentores do AO 90.

 

Esta famigerada aventura não teve, inicialmente, bom acolhimento no próprio ME, uma atitude de rejeição que, no entanto, pouco durou. Com efeito, o ME resignou-se à imposição, obedecendo às ordens do partido e do governo e esquecendo que o seu parecer contrariava com veemência a implementação do AO 90. Acabou por pactuar com abusos e segredos (os pareceres contrários esquecidos em gavetas do Instituto Camões e outros) desligando-se da transformação que se exigia.

 

Não cabe, neste artigo, exemplificar o caos que atinge o ensino da Língua, na Escola, mas ele é indesmentível, porque amplamente documentado, por mais que Malaca Casteleiro, com descaramento, diga o contrário.

 

Os alunos não sabem ler (passam, aliás, obrigatoriamente, para o 2.º ano, não tendo essa capacidade), não sabem gramática, não sabem interpretar, escrevem mal, não dominam um vocabulário mínimo. Será difícil compreender que tudo isto é resultado dos aventureiros que têm passado pelo Ministério da Educação, ao longo dos anos, em estreita cumplicidade com os partidos a que pertencem, incapazes de um pacto que perdure e defenda o ensino de tantas experiências nefastas? Será difícil compreender que é impossível uma escola funcionar com reformas contínuas, ordens e contra-ordens, numa manifesta falta de respeito pela comunidade escolar? Não se compreendeu ainda que é necessário reformular a formação dos professores, encharcados em teorias que massacram qualquer inteligência e consciência? Será difícil compreender que os professores, com tanta intromissão, com tantos descritores de desempenho a ter em conta, com tanta falta de liberdade para preparar as suas aulas, com tantos relatórios a elaborar, com tanta imposição, a mais grave das quais, a do AO 90, que os seus próprios mentores concordam estar cheio de “imprecisões, erros e ambiguidades”,[3] estão a perder a possibilidade de ensinar, precisamente porque estão a perder o sentido de ensinar?

 

Exigir-se-ia uma forte união entre os professores, que os sindicatos pudessem reforçar, mas têm de ser também os professores a conduzir os seus próprios anseios e a não esperar que outros o venham fazer por eles!

 

João Costa, que não encontrou melhor argumento do que atacar de novo os professores, em relação aos resultados obtidos, nas provas de aferição, pelos alunos do 8.º ano, não terá consciência do que fez ao longo destes anos, só ou acompanhado?

 

Ter-se-á já esquecido que reiterou também, em 2008, o parecer da APL de 2005 que contrariava a entrada em vigor do AO 90?

 

Precisa de reflectir, e muito, senhor Secretário de Estado!

 

[1] Génesis, 25 («Esaú e Jacob»)

[2] Conferência Mundial de Educação Artística, realizada a 6 de Março de 2006 e promovida pela UNESCO, no Centro Cultural de Belém.

[3] Evanildo Bechara (Brasil) no 3.º Encontro Açoriano da Lusofonia, realizado entre os dias 8 e 11 de Maio de 2008»

 

Fonte:

https://www.publico.pt/2017/11/03/sociedade/opiniao/desventuras-do-ensino-da-lingua-portuguesa-1791299

 

(***) Curiosamente esta proposta tem a sua génese no Brasil, onde há alguns anos atrás foi proposto exactamente o mesmo, com os mesmos argumentos, e foi um desastre total, porque se passou da ignorância ao nada. Não dá que pensar? (I.A.F.)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:49

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 26 de Outubro de 2017

QUANDO A SUBSERVIÊNCIA ESTÁ AO SERVIÇO DA IGNORÂNCIA, DA ESTUPIDEZ E DE INTERESSES OBSCUROS

 

«Seguindo instruções directas do então primeiro-ministro Cavaco Silva, Pedro Santana Lopes, então secretário de estado da Cultura, negociou o "Acordo Ortográfico" e subscreveu-o no dia 16 de Dezembro de 1990.

 

SANTANA LOPES22687632_1741813749454024_64488154802

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/cidadaoscontraAO90/photos/gm.1154827484620706/1741813749454024/?type=3&theater&ifg=1

 

Mais recentemente, revelou desconhecimento sobre o conteúdo do "acordo" que assinou, escrevendo que "Agora ‘facto’ é igual a fato (de roupa)". No mesmo artigo, de 2012, reconheceu que não usava uma reforma ortográfica que já estava a ser imposta aos Portugueses.

https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/acordo/nao-e-aceitavel-dar-se-ordem-para-desrespeitar-o-acordo-ortografico/2458

Assume, portanto, tudo isto».

Cidadãos contra o "Acordo Ortográfico" de 1990Cidadãos contra o "Acordo Ortográfico" de 1990

 

***

Entretanto, a Língua Portuguesa degrada-se a cada dia que passa.

 

As crianças portuguesas são levadas ao engano, por professores que as obrigam a escrever conforme a ortografia brasileira, e dizem-lhes que é Português. E pior do que isso, obrigam-nas a seguir o AO90, baseados numa lei que eles (os professores) acham que existe, e que na realidade não existe. E quando lhes pedimos para nos apresentar a tal lei, mandam-nos procurá-la. E nem com uma lupa GIGANTE conseguimos encontrar essa lei inexistente.

 

Anda-se a brincar com coisas muito sérias. Anda-se a formar os semianalfabetos do futuro. E ao que parece, os mais responsáveis, também são os mais irresponsáveis e incompetentes.

 

Por outro lado, a comunicação social servil (porque existe a que, inteligentemente, se negou a vergar-se à fraude), ou seja, a que cega e ignorantemente aderiu à ortografia mutilada, anda por aí, vergonhosamente, a mostrar uma ignorância crassa, porque nem escrevem em acordês, nem em Português, mas no mixordês produzido pelo AO90, imitando os governantes que também eles (salvo as honrosas excepções) vergonhosamente, aderiram a essa ortografia aparvalhada.

 

E o pior de tudo é que o governo português, imbuído de uma monumental e inconcebível casmurrice, nega-se a ver o óbvio, e continua servilmente vergado aos interesses dos negócios obscuros de estrangeiros e de vendilhões da Língua Portuguesa, enquanto esta se degrada e se afunda na mais mísera ignomínia.

 

Por tudo isto, exigimos que devolvam a Língua Portuguesa a Portugal.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:01

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 12 de Outubro de 2017

«AS VÍTIMAS E OS ALVOS DOS CONSPIRADORES DO AO/90 NÃO SOMOS NÓS: SÃO AS CRIANCINHAS QUE NÃO SABEM DEFENDER-SE»

 

Um texto de Miguel Esteves Cardoso, datado de 2015, infelizmente, ainda muito actual, porque nada foi feito no sentido de pôr fim ao linguicídio e ao crime de lesa-infância que está a ser cometido, impunemente, por governantes, professores e pais.

 

AO90.jpg

 

Origem da imagem -  http://pt.winkal.com/share/m/X9VO

 

É urgente que se comece a dizer às crianças portuguesas (que estão a começar a aprender a escrever) que estão a escrever à moda do Brasil, e tal ortografia nada tem a ver com Portugal e com as raízes europeias da Língua Materna delas.

 

A Língua das crianças portuguesas é a Língua Portuguesa, com todas as letras no seu devido lugar, como no Inglês, por exemplo, língua que muitas crianças portuguesas estão a prender nas escolas, como segunda Língua, e baralham-se tanto ao ponto de já terem questionado: «Por que em Inglês se escreve direCtor, aCtor, objeCt, aspeCt, inseCt, colleCtion, adoPt, affeCtion, colleCtive, dialeCt, direCt, correCt, inspeCtor (etc.) e em Português (aquele que lhes estão a impingir nas escolas portuguesas), se escreve diretor (dir’tor), ator (âtor), objeto (objêto), aspeto (aspêto), inseto (insêto), coleção (col’ção), adotar (adutar), afeto (afêto), coletivo (col’tivo), dialeto (dialêto), direto (dirêto), correto (corrêto), inspetor (insp’tor), (etc.)?

 

(O que está entre parêntesis é o modo de ler das crianças que aprendem Inglês, porque elas não são estúpidas, como querem que sejam).

 

A esta pergunta simples e lógica há que responder-lhes, como eu já respondi à minha neta: «Em Inglês escreve-se desse modo, porque os governantes ingleses sabem Inglês, respeitam e defendem a Língua Inglesa, e não se subjugam ao linguajar da maior (territorial e populacionalmente) das suas ex-colónias; e em Português escreve-se e lê-se desse modo, porque os governantes portugueses não sabem Português, não respeitam, nem defendem a Língua Portuguesa e subjugam-se ao linguajar da maior (territorial e populacionalmente) das suas ex-colónias».

 

As crianças portuguesas, ao contrário do que os governantes portugueses acham (porque se conseguissem pensar achariam outra coisa) não são estúpidas e compreendem perfeitamente o que está a passar-se, basta explicar-lhes, tintim por tintim, a questão das três linguagens aqui envolvidas: a Língua Inglesa, a Língua Portuguesa e a ortografia brasileira.

 

Foi o que já fiz em relação à minha neta. E ela, obviamente, porque não é estúpida, entendeu perfeitamente, e perguntou: «Então estamos a aprender a escrever errado?».

 

Eu - «Erradíssimo».

 

Ela - «E agora?»

 

E - «E agora? E agora, mais dia, menos dia, irás aprender a escrever usando a tua Língua Materna, correCtamente (e vinquei bem o C), porque num futuro próximo, quando fores mais crescida, não pretenderás escrever incorreCtamente a tua própria Língua, que é uma Língua europeia e culta, trocando-a por uma ortografia sul-americana, que nada tem a ver com a Europa; e escrever correCtamente a Língua dos Ingleses, que não é a tua Língua, e também é uma Língua europeia e culta».

 

Fez-se um certo silêncio.

 

Contei-lhe, então, a minha história: a de ter aprendido a ler e a escrever no Brasil, à moda do Brasil, ou seja, usando a ortografia que agora estão a obrigá-la a aprender na escola, embora ela não esteja no Brasil; mas eu, era lá que me encontrava, desde os dois anos, e não tive outra opção. Com oito anos regressei a Portugal, e tive de reaprender a ler e a escrever a minha Língua Materna; e mais duas vezes fui e vim, vim e fui, e mais duas vezes reaprendi e desaprendi a minha Língua, durante a infância, a adolescência e parte da juventude.

 

Mas quando se é criança aprende-se e desaprende-se tudo muito facilmente. Só quem não está atento ao desenvolvimento das crianças, só quem não sabe nada sobre crianças, é que não sabe disto, o que parece ser o caso dos governantes e dos acordistas.

 

Portanto, os pais ou avós que se interessem realmente pelas suas crianças, devem dizer-lhes que estão a aprender a escrever incorreCtamente a Língua Materna delas, mas deverão aprender a escrevê-la correCtamente, fora da escola (para não serem penalizadas) porque não seria justo saberem escrever a Língua Inglesa, com todas as letras que não se pronunciam (e são bastantes) e serem capazes disso; e não escreverem a Língua Portuguesa, com todas as letras que não se pronunciam, apenas porque um punhado de ignorantes as consideram mais estúpidas do que as crianças inglesas.

 

E isto não se faz.

 

As nossas crianças não merecem tamanha desconsideração.

 

Miguel Esteves Cardoso abordou esta problemática de um modo interessante, e só posso fazer minhas as suas palavras.

 

Isabel A. Ferreira

 

 **********************************************************************************

 

Texto de Miguel Esteves Cardoso  

 

O segundo acto

 

«Daqui a 50 anos, em 2065, quase todos os opositores do analfabeto Acordo Ortográfico estarão mortos. Em contrapartida, as crianças que este ano, em 2015, começaram a ser ensinadas a escrever tortograficamente, terão 55 anos ou menos. Ou seja: mandarão no país e na língua oficial portuguesa.

 

A jogada repugnante dos acordistas imperialistasignorantes e cada vez mais desacompanhados pelas ex-colónias que tentaram recolonizar ortograficamente — terá ganho tanto por manha como por estultícia.

 

As vítimas e os alvos dos conspiradores do AO90 não somos nós: são as criancinhas que não sabem defender-se. Deseducando-as sistematicamente, conseguirão enganá-las facilmente. A ignorância é a inocência. Pensarão, a partir deste ano, que só existe aquela maneira de escrever a língua portuguesa.

 

Os adversários morrerão e predominará a inestética e estúpida ortografia de quem quis unir o "mundo lusófono" através de um Esperanto lusográfico que não tem uma única vontade colectiva ou raiz comum.

 

Como bilingue anglo-português, incito os jovens portugueses que falam bem inglês (quase todos) a falar português com a exactidão fonética, vinda do bom latim, da língua portuguesa. Eu digo "exacto" e "correcto" como digo "pacto" e "concreto". Digo "facto" como fact, tal como "pacto" como pact.

 

Falar como se escreve (ou escrevia) é um acto de rebeldia. Ler todas as letras é libertador. Compreender a raiz das palavras é conhecê-las e poder tratá-las por tu.

 

Às armas!

 

Miguel Esteves Cardoso»

 

Fonte:

http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/o-segundo-acto-1696097?fb_ref=Default#/comments

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:36

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. POSSO PERGUNTAR?

. DIVAGAÇÃO SOBRE A LÍNGUA

. SOPHIA E OS “GÓLOS” DE RO...

. AO CUIDADO DOS PROFESSORE...

. NÃO EXISTE LEI ALGUMA QUE...

. O FIM DO ENSINO EM PORTUG...

. O AO90 É UMA VIOLAÇÃO DO ...

. «DESVENTURAS DO ENSINO DA...

. QUANDO A SUBSERVIÊNCIA ES...

. «AS VÍTIMAS E OS ALVOS DO...

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO