Terça-feira, 1 de Outubro de 2019

O Bom e o Mau na Gala dos “Globo de Ouro” no que à Língua Portuguesa diz respeito

 

No passado domingo, apeteceu-me, e vi a Gala dos “Globo de Ouro”, na SIC.

 

E ainda bem que vi, para ouvir o que lá se disse, porque de todo o espectáculo e dos prémios e das elegâncias, de umas coisas gostei, de outras não, e de uma, em particular (homenagem à memória de um torturador de Touros), abominei.

 

E o que é que o meu gosto ou desgosto interessa? Perguntarão.

Nada. Não interessa nada. Mas, mesmo assim, vou revelar o que gostei de ouvir, e o que me repugnou.

 

E vou começar pelo que gostei, daí deixar já aqui, antes de mais, o meu preito a Vera Holtz e Marcos Caruso, dois actores que sempre admirei, pelo elevado grau de profissionalismo, e pela simpatia e simplicidade com que se movimentam no mundo do brilho e do glamour…

 

ex1c0243_camila_mira_vera_holtz_marcos_caruso_770x

Origem da foto: Internet

 

Gostei de ouvir:

 

Vera Holtz e Marcos Caruso, dois excePcionais aCtores brasileiros, que subiram ao palco para anunciar o Globo de Ouro, na categoria de Melhor Peça / EspeCtáculo (que foi entregue a ‘Tio Vânia’), e dirigiram-se à plateia, na Língua deles, não sentindo a mínima necessidade de serem servis e falarem à portuguesa, para agradarem ou fazerem-se entender por uma plateia constituída, certamente, na sua maioria, por Portugueses.

 

Até porque, dizem por aí, que Brasil e Portugal falam a mesma Língua (oficialmente), se bem que com substanciais diferenças na fonética, na fonologia, na ortografia, no léxico, na sintaxe, na acentuação, algo que (oficiosamente) é já Língua Brasileira, mas não há necessidade nem de aportuguesar, nem de abrasileirar as falas, quando falamos uns com os outros.

 

Por isso, Vera e Marcos merecem o meu aplauso e a minha admiração: honraram a Língua e o País deles - o Brasil.

 

Não gostei de ouvir:

 

Ricardo Pereira.png

(Divulgação/ TV Globo)

 

O aCtor Ricardo Pereira, a entrevistar, em Brasileiro, Vera Holtz e Marcos Caruso, na Gala dos Globos de Ouro, como se eles fossem muito desprovidos de entendimento, como se não entendessem a fala portuguesa, não é mesmo? E o Ricardo Pereira demonstrou, deste modo, que não falamos a mesma Língua, pois se falássemos, não havia necessidade de estrangeirar.

 

Mas estrangeirou, e foi esta atitude servil que me repugnou. Vera e Marcos não são ignorantes, conseguem perfeitamente entender a fala portuguesa. Não precisam de legendas, nem que um português lhes fale à brasileira, para que o entendam. Ricardo Pereira esteve muito mal: insultou a inteligência dos aCtores brasileiros e desprezou a própria Língua e o seu País, a não ser que já não seja português.

 

Isto fez-me lembrar o nosso Presidente da República, que, também muito servilmente, no Palácio de Belém, deu, aqui há tempos, uma entrevista à TV Globo falando brasileiro, como se o entrevistador não soubesse Português. E com isto, o PR desonrou Portugal e a Língua Portuguesa.  Aposto que jamais Jair Bolsonaro daria uma entrevista à SIC aportuguesando a sua fala.

 

Gostei de ouvir:

 

E soou-me bem, os vários Olá, a todos! Naquela plateia constituída por homens e mulheres. Quem assim saudou o público presente no Coliseu dos Recreios é gente que sabe falar.

 

Não é como uns e outros (ou teremos de dizer uns, umas, e outros, outras?) que andam por aí a parvoar numa linguagem a que chamam inclusiva, para reforçar uma visibilidade ainda reduzida das mulheres no contexto social nacional (foi a explicação que me deram). Então, para dar visibilidade às mulheres, desatam a dizer olá a todos e a todas”, demonstrando uma gigantesca ignorância da Língua Portuguesa, porquanto o vocábulo TODOS é um substantivo masculino plural, que significa toda a gente, incluindo a Humanidade. Significa totalidade numérica de pessoas (e pessoos?) ou coisas (e coisos?), dizem os dicionários. E um grupo de pessoas pode incluir apenas mulheres, ou apenas homens, ou homens e mulheres, crianças (e crianços?) jovens, e idosos.

 

Dizer todos e todas é uma muito infeliz redundância, assente na ignorância.

 

Mas até o nosso primeiro-ministro, que devia dar lições de bem falar a língua do país que representa, um destes dias, a discursar no Algarve, dirigiu-se aos Algarvios e Algarvias, como se os Algarvios não fossem os habitantes (e as habitantas?) do Algarve.

 

Fico-me por aqui, porque esta parte final já não pertence aos “Globos de Ouro”, que, contudo e obviamente, os adeptos da parva linguagem dita inclusiva, não ganhariam jamais, se houvesse tal distinção para os bons falantes de Língua Portuguesa.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:50

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2019

PORTUGAL E BRASIL: DOIS PAÍSES, DUAS LÍNGUAS

 

Um destes dias, publiquei um texto neste meu Blogue, no qual questionei o motivo que levou um cidadão português (?) (o actor Ricardo Pereira) a falar brasileiro, num programa dirigido aos portugueses lá de casa. Ver este link:

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/o-actor-portugues-ricardo-pereira-165286?utm_source=posts&utm_content=1548781276

 

E a questão é: Portugal e Brasil falam a mesma língua?

 

A propósito disto, recebi alguns comentários, e imagens que circulam por aí, que deixam claro que Portugal e Brasil não falam a mesma língua. Porque em Portugal, fala-se Português, e no Brasil, fala-se Brasileiro.

 

Vamos conferir?

 

BP 1 (1).jpg

Neste site, seleccione-se a Língua: o Brasileiro é a língua (entre outras línguas estrangeiras). E em Brasileiro escreve-se projeto (prujêtu) claro está. Porque em Português escrevemos projeCto, e em Inglês projeCt.

 

***

BP 1 (2).jpg

Até a Porto Editora sabe que não falamos a mesma Língua, embora este grupo editorial seja um dos que fomenta o negócio do AO90. Este dicionário é exclusivo para o Brasil, pois para Portugal existe este outro, exclusivo, em acordês.

E isto cheira a um nítido negócio da China.

 

BP 4.jpg

***

BP 3.png

Observe-se com atenção a 2ª. bandeira na fila de baixo, das Línguas a bordo deste autocarro panorâmico, o Yellow Bus, que circula em Lisboa: nitidamente a bandeira é a brasileira, que corresponde à Língua Brasileira. A bandeira portuguesa está confinada ao 3º. lugar, na fila de cima, mas em casa de ferreiro, o espeto não é de pau? Conclusão: neste autocarro fala-se Português e Brasileiro (entre outras línguas). Alguém duvida que são duas Línguas distintas?

***

Neste vídeo José Saramago teve de ser legendado, sim, porque José Saramago fala Português, uma língua incompreensível no Brasil. Desconhecia que, no Brasil, programas, novelas ou filmes portugueses são legendados e dobrados (no Brasil, dublados, do Francês doublage) em Brasileiro (no tempo em que por lá andei, não eram, até porque não se emitia nada em português). Em Portugal isto é algo que não acontece com os programas, novelas e filmes brasileiros.

***

Equador é uma série televisiva portuguesa de ficção histórica, de drama e romance, produzida pelo canal TVI, baseada na obra Equador, de Miguel Sousa Tavares. Os actores são portugueses e falam PORTUGUÊS, língua estrangeira para os Brasileiros, que necessita de ser dobrada, tal como o Inglês, o Francês e outras línguas estrangeiras.

 

Brasil e Portugal falam a mesma língua? Não me parece. Se falassem, não haveria necessidade de dobrar ou legendar o Português. Nenhum africano de expressão portuguesa o faz, porque eles falam e escrevem Português.

 

Qual a explicação para isto? Será a de que nós, Portugueses, somos mais dotados para as línguas estrangeiras do que os Brasileiros, por isso não necessitamos de legendar as novelas, os filmes e os programas brasileiros?

 

Para os Brasileiros, a Língua Portuguesa é língua estrangeira (tal como já é em Cabo Verde), para ser legendável e dobrável? Então? Não falamos a mesma língua?

 

***

BP 5.jpg

 

Este é um texto que encontrei no frasesparaoface.com, (um site brasileiro). E como este, há centenas deles, que circulam no “face” e levam até aos facebookianos este tipo de linguagem que, ao ser lida e relida e treslida, passa a ser a mais utilizada. E esta não é a linguagem portuguesa. Se os políticos portugueses e brasileiros pretendem que falemos a mesma língua, muita coisa tem de mudar da parte brasileira, porque os restantes países lusógrafos não escrevem deste modo anómalo. A Internet está repleta de uma linguagem a que chamam “português do Brasil ou brasileiro”, mas que de Português tem apenas vestígios. Este tipo de linguagem é exclusivamente brasileira.

 

Definitivamente, não me parece que Portugal e Brasil falem a mesma língua. E andam por aí trapaceiros portugueses a vender-nos gato por lebre. Comentei, perante tanta evidência.

 

E o meu amigo João M. Galizes respondeu-me assim:

 

«Claro que venderam gato por lebre aos incautos portugas-esponjas. Muitos portugueses absorvem facilmente as ideias que vêm de fora. Os negociadores pegaram em dois pulhíticos corruptos: o Molusco no Brasil, e o Filósofo, em Portugal, e no pseudo-linguista maleiro castelaca (com minúsculas, como o sujeito gosta), e disseram que iam uniformizar o Português - mentira - e que as crianças iam passar a escrever mais facilmente sem consoantes que atrapalhavam. No entanto, incentivam o uso do Inglês, em Portugal, que é uma Língua, como nós sabemos, que "não" tem consoantes desnecessárias!»

 

E a minha amiga Idalete Giga disse isto:

 

«Algo vai péssimo nesta república labrega e nova rica de Portugal (!) Como é possível que o tal actor se preste assim a cair num ridículo total? Isto já nem é pornografia linguística à maneira do dom Cangalheiro. É deboche (!!!!!)»

 

E o meu amigo Francis Likin, acrescentou:

«Há já algum tempo, creio que durante o Campeonato Mundial de Futebol, as autoridades brasileiras exigiram a um jornalista português a apresentação de uma TRADUÇÃO OFICIAL do seu PASSAPORTE PORTUGUÊS, para que pudesse dispor das credenciais oficiais e ser "acreditado" como jornalista português no Brasil durante esse mesmo campeonato!»

  

Duvidei disto, porque isto é um pouco DEMASIADO!

 

Contudo, Francis Likin insistiu: «Mas é VERDADE. É REAL. A desculpa dada pelas autoridades brasileiras é que a lei diz que todo e qualquer passaporte estrangeiro tem de ser traduzido para "português do Brasil" Isso circulou por aqui. Proibiram também uma miúda de 15 anos de ir para a Escola com uma camisola da Selecção Portuguesa. Só a do Brasil era permitida. Há muitos exemplos desses...»

 

Pasmei! Desconhecia isto.

 

E o meu amigo Pedro Soares comentou o que se segue, referindo-se aos governantes que temos e que permitem estas coisas que põem os portugueses abaixo de cão:

 

«Mas será que este desgraçado País está condenado a bater no fundo? Será que estamos condenados a esta gente medíocre, que em 44 anos não produziu um só Estadista? Quando chegará o D. Sebastião?...... Já chega de nevoeiro!»

 

Todos têm razão. Por tudo isto, não podemos baixar os braços. Não podemos deixar que a Língua Portuguesa seja deste modo desprezada, em nome de coisa nenhuma que valha a pena ser.

 

Cada um de nós tem de ser um D. Sebastião, para se acabar com este nevoeiro que obscurece Portugal e a sua Cultura Linguística.

 

Definitivamente, está na hora de o Brasil assumir a sua língua: a BRASILEIRA. Serão milhões a propagá-la, sem terem de arrastar atrás de si, o cordão umbilical do país que os colonizou. Não deixem para amanhã o que podem fazer hoje. Porque é certo e seguro, que o destino  da língua falada e escrita no Brasil é o de ser BRASILEIRA. É o que eles querem, é o que eles farão. E eu concordo plenamente.

 

Isabel A. Ferreira

***

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:00

link do post | comentar | ver comentários (5) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2019

O actor português, Ricardo Pereira, perderia a Pátria ou a Língua? Ou ambas?

 

Um amigo meu, Pedro Soares,  chamou-me a atenção para um programa exibido no Canal Globo, aos sábados, chamado “Sem Cortes”, apresentado pelo actor português Ricardo Pereira (suponho que ainda seja português), usando a fala brasileira, para se dirigir aos portugueses lá de casa, mas, suponho, para também e principalmente melhor se dirigir aos brasileiros que vivem em Portugal.

 

50589057_346970595895707_2692568461615300608_o.jpg

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=346970589229041&set=a.100824393843663&type=3&theater

 

Como a televisão, para mim, é para ver telejornais, documentários e filmes, apressei-me a confirmar esta absurdez, ou seja, um cidadão português dirige-se aos seus conterrâneos na fala brasileira, com todos os djis e tchis e gerúndios no devido lugar. Confirmado.

 

Porém, dado o rumo que o actual governo português está a dar a Portugal, já nada me surpreende nesta azáfama de nos impingirem, à força, a linguagem brasileira, na forma grafada e, pelo que ouvi, também falada, com a estúpida desculpa esfarrapada de que os Brasileiros são milhões a falar o Português.

 

Mas os milhões de Brasileiros falarão mesmo o Português?

 

É isto que me proponho a esmiuçar, com base no programa do Ricardo Pereira, que me levanta algumas questões:

 

A primeira é saber se o Ricardo Pereira se naturalizou brasileiro e optou por ter o Brasil como sua Pátria, fazendo o programa, muito naturalmente, com a fala brasileira. Se assim foi, calo-me já. Está no seu direito. É um brasileiro a falar na sua Língua. Nada a obstar.

 

Porém, e se o Ricardo Pereira não se naturalizou e não tem o Brasil como sua Pátria, por que motivo apresenta um programa dirigido aos portugueses lá de casa na fala brasileira? Isto intrigou-me.

 

Sabemos, desde há muito, que os Brasileiros têm muita dificuldade em entender o Português (perguntem aos alunos brasileiros que frequentam as escolas portuguesas, por exemplo) mas também sabemos que os Portugueses, entendem perfeitamente o Brasileiro. Como o programa se baseia em entrevistar actores brasileiros, será que o Ricardo Pereira, sendo português, optou por falar brasileiro, para que os entrevistados brasileiros e os telespectadores brasileiros o entendessem? Porque, o problema não é os portugueses lá de casa, estes entendem perfeitamente as duas linguagens, se não entendessem, as novelas e filmes brasileiros teriam de levar legendas, e não levam, como levam os programas falados em Português, passados nas televisões brasileiras (isto foi o que me transmitiram, mas não  acredito, porque comigo é ver para crer, e no tempo que por lá andei, a televisão brasileira não passava programas portugueses.)

 

Questão: se realmente os Brasileiros e os Portugueses falam a mesma língua, o Português, que necessidade tem o Ricardo Pereira, sendo português, de falar à brasileira, num programa dirigido ao público português, mas também ao público brasileiro? Isto lembra-me quando uns editores brasileiros, interessados em publicar um livro meu, no Brasil, me pediram para o traduzir para Brasileiro (tal e qual), e eu recusei-me. Então? Não falamos a mesma Língua? Traduzir, traduz-se para uma língua estrangeira. Nessa altura, tive a certeza de que o Brasil não falava a mesma língua que eu, porque a minha Língua era a Portuguesa. A deles, era a Brasileira. E como domino estas duas línguas, desde a infância, para mim, ler os autores brasileiros, em Brasileiro, nunca foi obstáculo.

 

O meu amigo, ao expor este caso insólito, na sua publicação, refere: «Convido o sr. Ricardo Pereira a ouvir as centenas de brasileiros que estudam, trabalham, residem no nosso Portugal e verificará que, apesar dos muitos anos em terras lusas, estes nossos irmãos não traem a sua Língua É bonito de ver e de ouvir. (…) Lembro-lhe Fernando Pessoa, conhece? “Minha Pátria é a Língua Portuguesa”. Qual é a sua Língua? Qual é a sua Pátria?»

 

Na verdade, os Brasileiros não abdicam da sua Língua (nem os Brasileiros nem nenhum outro estrangeiro, que entre eles continuam a falar as respectivas línguas), embora a adaptem ao vocabulário Português, porque em Portugal não vestem ternos, não andam de trem, nem de bonde, nem de ônibus, não vão ver os seus times de futebol favoritos, não vão ao açougue, não compram balas para os filhos, não tomam ducha, não têm um pet, não  registram cartas...

 

Onde eu quero chegar com isto? A lado nenhum. Só quero dizer que algo vai mal nesta república  DOS bananas de Portugal.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:37

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
16
17
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O Bom e o Mau na Gala dos...

. PORTUGAL E BRASIL: DOIS P...

. O actor português, Ricar...

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

.

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO