Sexta-feira, 8 de Fevereiro de 2019

"CARTILHA DO ACORDISTA *

 

* Redigida em conformidade com o Acordo Ortográfico de 1990."

(Texto recebido via e-mail)

 

Doutores da Alegria.png

Origem da imagem: Internet

 

"CARTILHA DO ACORDISTA*

 

— Falar em abstrato em modernidade, simplificação e necessidade de mudança

 

— Mencionar insistentemente a lusofonia

 

— Dizer que querem voltar a escrever "pharmacia" [muito importante]

 

— Invocar Teixeira de Pascoaes e o "y" de "lagryma" e "abysmo" só para ridicularizar

 

— Deve escrever-se como se fala [muito importante]

 

— A ortografia anterior era arcaica e desatualizada

 

— Invocar a figura do Velho do Restelo [várias vezes]

 

— Com a ortografia do acordo, poupa-se espaço e deixam de se escrever letras, acentos e hífenes que não dão jeito nos teclados

 

— Dizer que o português é a única língua de cultura com mais do que uma ortografia [mesmo que não seja verdade]

 

— Se não resultar, dizer que é a única do hemisfério norte com duas ortografias [mesmo que não seja verdade]

 

— Referir que a língua muda constantemente

 

— Dizer que já houve mudanças antes e justificar tudo com isso (mesmo que o AO90 reverta por completo a Reforma de 1911 e a Convenção de 1945)

 

— Perante qualquer dúvida apresentada, remeter sempre para a Nota Explicativa do acordo

 

— Não somos donos da língua

 

— Angola e Moçambique estão prestes a ratificar o acordo, é uma questão de tempo [repetir de tempos a tempos]

 

— Acusar quem é contra de ser nacionalista, xenófobo, isolacionista, divisionista, antibrasileiro e preguiçoso [muito importante]

 

— Acusar a ortografia anterior de ser salazarista e do Estado Novo

 

— Se alguém disser que o acordo não unifica, dizer que uniformiza/harmoniza/homogeneíza

 

— Se não resultar, dizer que o que acordo unifica são as regras, agora num só documento

 

— O acordo consagra a diversidade na unidade [para confundir]

 

— Sem o acordo, o português de Portugal será uma língua residual, como o holandês, ou uma língua morta, como o latim

 

— Lançar para o ar que já toda a gente escreve com a nova grafia [mesmo que não seja verdade]

 

— Assinalar que só mudam 2 % das palavras [mesmo que os números variem]

 

— Invocar que seria catastrófico para as crianças voltar atrás [ainda que só mudem os tais 2 %; ocultar este facto neste argumento]

 

— Defender os erros do acordo, dizendo que nada é perfeito e que a ortografia anterior também tinha incorreções

 

— Perante novos erros causados pelo acordo, dizer que erros ortográficos sempre houve ou que são apenas gralhas

 

— O acordo está a ser aplicado sem problemas [insistir]

 

— Grafias duplas já havia e ninguém achava mal

 

— Dizer que antes já havia palavras homógrafas

 

— Daqui a uns anos já ninguém vai falar disto, é melhor conformarem-se

 

— Falar do intercâmbio cultural, das vantagens económicas e da circulação de livros [importante, mesmo que não se verifique]

 

— O acordo destina-se às novas gerações [pode acrescentar-se que só daqui a 10 ou 20 anos é que se vão ver os resultados]

 

— Com o acordo, o português irá tornar-se uma língua global, com caráter oficial na ONU [não explicar como é que isso acontecerá]

 

— Posso não escrever segundo o acordo, mas sou a favor

 

— Cumpro a lei, ninguém vai desrespeitar as regras de trânsito só porque não concorda com elas

 

— Ter sempre um corretor informático/automático à mão

 

— Quando encurralado, dizer que não se é especialista, mas que... [inventar qualquer coisa ou recorrer aos argumentos anteriores]

 

* Redigida em conformidade com o Acordo Ortográfico de 1990."

 

Fonte:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.212426635525679/1241360272632305/?type=3&theater

 

Risos-AhAhAh[1].jpg

 

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:47

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Domingo, 18 de Setembro de 2016

BOICOTE-SE O PRÉMIO LITERÁRIO VASCO GRAÇA MOURA EM ACORDÊS

 

A propósito do prémio literário com o nome de Vasco Graça Moura, a atribuir pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), que obriga os concorrentes a escreverem segundo o Acordo Ortográfico de todos os desacordos. 

(Texto de Pedro Correia, no Blogue Delito de Opinião)

 

PEDRO CORREIA.png

 

«Injúria póstuma a Graça Moura

 

Mais do que uma desconsideração intelectual, constitui uma injúria que um organismo público como a Imprensa Nacional Casa da Moeda utilize o nome de Vasco Graça Moura para atribuir um prémio literário destinado a distinguir uma obra forçosamente escrita em acordês.

 

O grande poeta, ensaísta, ficcionista e tradutor já cá não está para zurzir os responsáveis daquela instituição com a verve que todos lhe conhecíamos e a paixão que sempre colocou nesta batalha de ideias. Mas até por isso é dever de todos os seus amigos e admiradores insurgirem-se contra o abuso que constitui a associação de Graça Moura a um prémio que exige a utilização das normas ortográficas que ele sempre combateu.

 

Não há outra leitura possível do artigo 10.º do regulamento do concurso, escrito na ortografia que o autor de Naufrágio de Sepúlveda abominava: “O autor premiado aceita que a INCM execute uma revisão literária dos originais, na qual sejam eliminadas todas as incorreções [sic] ortográficas ou gramaticais, e resolvidas as inconsistências com as normas de estilo adotadas [sic] para a publicação do Prémio INCM/Vasco Graça Moura.”

 

Como alertou Octávio dos Santos, num artigo no Público que chamou pela primeira vez a atenção para o caso, a administração da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, por ele contactada, confirmou por correio electrónico: "O texto vencedor será publicado de acordo com a ortografia do Acordo Ortográfico de 1990."

 

De resto, a tocante preocupação da INCM pelas "incorreções" [sic] devia começar pela própria redacção deste regulamento: onde se lê "usa" em vez de "sua" no artigo 9.º, n.º1 (curioso lapso, daqueles que em linguagem freudiana costumam merecer o rótulo de acto falhado).

 

Além do inaceitável paternalismo que revela, só lhe faltando vir acompanhado da antiga "menina dos cinco olhos", o artigo 10.º impõe carácter obrigatório à escrita acordística, fazendo tábua rasa dos mais elementares princípios de liberdade intelectual.

 

Como Octávio dos Santos justamente questionou: "Será possível que na INCM não exista quem conheça e tenha lido o Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos nacional, que também reflecte e replica legislação e jurisprudência internacionais, e que dá inequivocamente a todos os artistas a prerrogativa de utilizarem e de verem respeitada a linguagem que eles quiserem?

 

Fernando Pessoa, Almada Negreiros e Teixeira de Pascoaes, entre outros escritores que foram firmes adversários da reforma ortográfica de 1911, ficariam liminarmente excluídos deste concurso se por acaso cá estivessem e quisessem concorrer.»

 

Fonte:

http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/injuria-postuma-a-graca-moura-8712212?thread=67058964#t67058964

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:54

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
14
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. "CARTILHA DO ACORDISTA *

. BOICOTE-SE O PRÉMIO LITER...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO