Quinta-feira, 11 de Maio de 2023

Um texto do Professor António Mota, para reflectirmos o grave ERRO que foi o de uns poucos políticos portugueses aceitarem ser uns insignificantes SERVOS do AO90, quando outros foram veneráveis Senhores da Língua Portuguesa

 

«A política do facto consumado é um insulto à inteligência» (A. M.)

 

Untitled.png

 

Por António Mota

1.

Somos, de facto, governados indigentes autocratas e acéfalos, e o exemplo disso, entre milhentos outros, é a imposta vigência do Acordo Ortográfico mentecapto, o qual foi efectivamente elaborado por colaboradores interessados e comprometidos, por gente inconsciente, maníaca, irresponsável, e para gente muito de pensamento apoucado, e sem entendimento, movido por uma lógica de fumo insustentável e leve como palha. Os professores, sem que isso desculpe ninguém da responsabilidade que tem como cidadão e português, deveriam ter tido, e têm algo importante sobre isto a dizer.

 

2.

Diga-se, porém, que é difícil, muito, hoje, ser-se professor. Como sempre foi. Mas hoje é mais. Muito mais. Na minha opinião, os professores têm sempre muito que dizer, sobre muita coisa, e também sobre esta miséria que é o AO da nossa falência, consentida e "apoiada". E, muitos, têm-no feito claramente, apesar das condições insustentáveis em que se encontram. Ninguém, daqueles que optaram pela surdez inconsciente e preguiçosa, os ouvirá. Mas oiço eu. E muita gente como eu. Somos poucos? Não é a quantidade que determina a razão e a qualidade.

 

3.

Eu gostava de ouvir mais e mais forte os professores. Porque nesta matéria, quer queiram, quer não, são faróis. E os faróis não servem para servir a escuridão. Mas, atenção, não se pode pedir a ninguém para ser herói. Ou mártir. Eu acho que nunca ninguém tem que ir contra a sua consciência. Vi muitos heróis anónimos a dizerem não. Pagaram por isso? Pagaram. Mas, é como lhe digo: cada um pode fazer o que quiser; mas ninguém tem o direito de exigir, seja a quem for que seja herói e mártir.

 

4.

Ora, agora, há uma coisa. Eu não posso admitir nunca o argumento baixo de não se poder voltar atrás. E era aqui que eu queria chegar, para pedir. Para pedir, o quê? E a quem? A toda a gente e, particularmente aos professores, porque têm formação, e são agentes do pensamento, que não aceitem esse argumento da irreversibilidade. Porquê? Porque nada é irreversível, principalmente se for contrário a toda a lógica, à história, à democracia, e ao pensamento.

 

5.

Gostaria que não aceitassem vencidos o pobre e falso argumento do facto consumado. Isso é o que os agentes do pensamento único e fraquinho querem, e divulgam, principalmente entre mentes indigentes e preguiçosas. A política do facto consumado é um insulto à inteligência. Concretamente. Pequemos em dois argumentos apenas, desses emitidos a toda a pressa pelos serviçais meios de comunicação social.

 

6.

Um desses argumentos, que qualquer meliante usa, sem saber argumentar, é o facto de já muitas crianças terem aprendido aprisionados a este cabresto sufocante do dito AO, que só o governo Português defende, e só por isso. Mas aprenderam forçadas e enganadas. E eu lhes digo que AO dito, de aberrante tão, facilmente será ultrapassado por quem nele andou aos tropeções, se se quiser. E, se isso fosse argumento, lhes diria que foram muitíssimas mais as pessoas que mamaram do pensamento e do sentimento na nossa sempre respeitável muito Língua mãe, mais séria, mais lógico, mais consonante com a história e a lógica, e, mais que tudo, porque faz parte da nossa identidade.

 

7.

Em segundo lugar, dizem - argumento supremo do deslizamento para o imbecil - que só não muda quem é burro. Já o dizia o Mário Soares, a propósito do "socialismo na gaveta", das políticas que adoptou, até cairmos nas garras do FMI, a propósito da famosa "descolonização". Isto é: há quem fale em mudanças apenas para cobrir a sua responsabilidade, inconsciência, incompetência, e outras "virtudes" mais. É verdade que a língua é um organismo vivo, e muda. Pois muda. Mas muda com o tempo e com a história, a cultura e a necessidade, sempre com lógica, com ciência, e não com os alarves que, não sabendo fazer mais nada, mudam à toa, fugindo de argumentos que não têm, nem nunca tiveram.

 

8.

A este propósito, por que é que os partidos não falam neste assunto? Que raio de pacto é que têm, que interesses, que falta de conhecimento? Como é que se atreve esta nossa classezinha de baronetes de sangue verde a brincar com uma língua de civilização? Exactamente talvez porque não sabem o que é ser civilizado. Como se atrevem a impor, ilegalmente, em tudo quanto podem o famigerado acordo, que transforma uma língua preciosa num objecto filho da mais idiota bastardia?

 

9.

Em síntese, e porque isto vai longo: lá porque se cometeu um erro crasso e irresponsável, mantê-lo, e não corrigi-lo, é errar duplamente; lá porque a Língua é um organismo vivo, não significa que qualquer parvalhão se divirta com o cinismo da sua amputação, sem razão e argumento. Ora é isto o que os nossos políticos fazem, tanto se baixando, que se lhes vê o, e não é nada atraente ou bonito. Já não temos dicionários, nem gramáticas. Temos que suportar o novo-riquismo da estupidez ortográfica, fónica, semântica e sintáctica imposta pelo corrector do computador, pelas televisões, pelos políticos mesclados. Mas até quando?

 

10.

À Isabel A. Ferreira, à Soledade Martinho Costa, incansáveis na sua denúncia, e aos meus caros todos amigos que se irritam solenes, e não brincam às críticas, nem jogam ao faz de conta, em se tratando de coisas realmente sérias, como seja a bastardia do Acordo Ortográfico, o malfadado.

 

Não. Nesta questão específica temos sempre de combater a apatia mórbida daqueles que comem com os que estão, com os que ficam, e com os que vão. E lá estou eu a dar pretextos a essa gente, que fica e que vai com todos, medindo sempre o que mais convém a suas excelentíssimas qualidades, inquestionáveis, certamente.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/mentions/1683297238495960/?notif_id=1683297238495960&notif_t=mention&ref=notif

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:17

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Setembro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
14
18
19
21
23
24
25
27
28
29
30

.posts recentes

. Transladação de Eça de Qu...

. Open Letter to the Americ...

. «Em Defesa da Ortografia»...

. Hoje celebra-se o Dia da ...

. Não é verdade que o Portu...

. «Galego e Português, as d...

. António Costa, numa cerim...

. «O que faz correr os acor...

. Aproxima-se o dia da tran...

. «À Margem da Democracia” ...

.arquivos

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO