comentários:
De Arsénio de Sousa Pires a 16 de Novembro de 2020 às 17:39
A estupidez humana não tem limites! Já o sabemos! Mas, a estupidez manifestada por estes maluquEs brasileiros é infinita.
Isto só pode ser a tentativa de humor preto!!
De Isabel A. Ferreira a 16 de Novembro de 2020 às 19:26
Gostei dos maluquEs, Arsénio Pires! 🤣 Se não nos rirmos disto, afundamo-nos na estupidez que isto é.😡

Nós por cá, ainda não chegámos a tanto, mas para lá vamos, com a estupidez que também é a linguagem dita inclusiva, mais idiota do que inclusiva, do todos e todas, eles e elas, os/as, portugueses e portuguesas, enfim, é a ignorância na sua forma mais pura. Sinais de uns tempos, onde as pessoas já não sabem ESTAR... e acham que com isto se integram... ☹️
De Ismael_Teixeira a 16 de Novembro de 2020 às 21:20
Este tipo de linguagem e pensamento já entrou nos jovens de agora, em conversa com um jovem actual foi confrontado com a acusação de machismo da minha parte pois argumentei que era impossível as mulheres alcançar os mesmos recordes olímpicos dos homens devido as suas fisionomias. Devido a ideologia de género os recordes devia ser idênticos.
De Isabel A. Ferreira a 17 de Novembro de 2020 às 15:29
Ismael Teixeira este tipo de linguagem e pensamento já entrou nos jovens de agora, mas apenas nos IGNORANTES jovens de agora, porque os jovens cultos e instruídos de AGORA jamais usariam este tipo de linguagem completamente IDIOTA.

Quanto ao resto do seu comentário, desculpe dizer-lhe, mas realmente o seu interlocutor adjectivou-o erradamente, não por lhe chamar machista, até porque o que você disse nada tem a ver com machismo, mas com um monumental DESCONHECIMENTO da matéria que aqui está em causa. Há uma, porque um homem nunca será igual a uma mulher, ou vice-versa, a não ser através de uma intervenção transformista, e isto se a transformação for bem feita. Há duas, porque as mulheres até poderiam alcançar os mesmos recordes dos homens, mas não devido à fisionomia ( = aspecto particular do rosto), mas devido à estrutura física, daí haver provas femininas e provas masculinas. Como sabe, há homens lingrinhas, e mulheres bem corpulentas, e vice-versa!

E desculpe perguntar, o que é que a “ideologia de género” tem a ver com recordes olímpicos? Sabe o que é “ideologia de género?” se não sabe, leia este artigo, por favor:

https://observador.pt/opiniao/a-ideologia-de-genero-que-genero-de-ideologia-e/
De Ismael_Teixeira a 17 de Novembro de 2020 às 20:36
Eu sei o que é a ideologia de género, o meu interlocutor é que desconhece.
Os recordes olímpicos e ideologia de género nada tem haver um com o outro, mas na ideia dele a ideologia (obriga) a que os homens e as mulheres estejam no mesmo patamar.

Parabéns pelo blog, Isabel. Eu acompanho regularmente os seus comentários relativo ao obtuso acordo ortográfico que eu não aceito de maneira alguma. Livros e revistas com dito acordo ficam na prateleira dos quiosques ou livrarias. Não compro!



De Isabel A. Ferreira a 18 de Novembro de 2020 às 10:45
Ismael Teixeira,

Peço desculpa se interpretei mal o seu anterior comentário. Mas tem de admitir que o comentário estava um pouco truncado, e de difícil interpretação.

O seu interlocutor é daquele tipo de pessoa maria-vai-com-as-outras, ainda que não saiba para onde vão as outras. Há muita gente, por aí, assim, incluindo governantes.

Agradeço a gentileza dos seus parabéns, e se não aceita o obtuso acordo ortográfico e deixa livros e revistas acordizados nas prateleiras dos quiosques e livrarias, demonstra ser uma pessoa que não é maria-vai-com-as-outras, e não tem apetência por lixo ortográfico.

Comentar post